Home / Bahia e Salvador Guia de Turismo / Costa dos Coqueiros / Projeto Tamar na Praia do Forte na Costa dos Coqueiros

 

Projeto Tamar BahiaA sede do Projeto Tamar esta na Mata de São João na Bahia.

O desenho da tartaruga saindo do ovo está em toda parte. É a marca do Projeto Tamar – Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente), do Centro Nacional de Conservação e Manejo de Tartarugas Marinhas, que está em Praia do Forte desde 1980.

No local funciona a sede nacional do Projeto, que visa preservar a espécie.

Praia do Forte é a principal região de desova de tartarugas marinhas do Brasil e também uma importante área de alimentação de tartarugas jovens, que já virou atração turística.

Veja o mapa Costa dos Coqueiros

O Centro de Visitantes do Projeto Tamar atende nos idiomas: inglês, espanhol e italiano.

Como chegar: O local do Projeto Tamar fica na Vila dos Pescadores, em Praia do Forte, em frente ao Farol.

Visite o site Projeto Tamar

O que o Tamar faz

O TAMAR (contração das palavras tartaruga e marinha) surgiu com o objetivo de proteger espécies de tartarugas-marinhas ameaçadas de extinção no litoral brasileiro.

Com o tempo, porém, percebeu-se que os trabalhos não poderiam ficar restritos às tartarugas, pois uma das chaves para o sucesso desta missão seria o apoio ao desenvolvimento das comunidades costeiras, de forma a oferecer alternativas econômicas que amenizassem a questão social, diminuindo assim a caça das tartarugas-marinhas para a sua sobrevivência.

O tamar também protege tubarões e outras espécies de vida marinha.

As atividades são organizadas a partir de três linhas de ação: Conservação e pesquisa aplicadas; Educação Ambiental e o Desenvolvimento local sustentável, onde a principal ferramenta é a criatividade.

Desde o início, tem sido necessário desenvolver técnicas pioneiras de conservação e desenvolvimento comunitário, adequadas às realidades de cada uma das regiões trabalhadas. As atividades estão atualmente concentradas em vinte e uma bases, distribuídas em mais de mil e cem km de costa.

Assim, para garantia de efetiva proteção das tartarugas, promove-se também a conservação dos ecossistemas marinho e costeiro e o desenvolvimento sustentável das comunidades próximas às bases – estratégia de conservação conhecida como espécie-bandeira ou espécie-guarda-chuva.

Essas atividades envolvem atualmente cerca de mil e duzentas pessoas, a maioria moradores das comunidades, essenciais para a proteção das tartarugas marinhas, pois melhoram as condições do seu habitat e diminui a pressão humana sobre os ecossistemas e as espécies.

Bahia.ws é o maior guia de turismo e viagem da Bahia e Salvador.

 
 

Deixe uma resposta

 
 
 
%d blogueiros gostam disto: