Araruna e o Parque Estadual da Pedra da Boca – Guia de Turismo

Este post também está disponível em: Português English

Araruna na Paraíba
Araruna na Paraíba

Araruna é um Município Brasileiro do Estado da Paraíba, estando compreendida na mesorregião do Agreste Paraibano, na microrregião do Curimataú Oriental (formado por Araruna, Cacimba de Dentro, Solânea, Dona Inês, Tacima, Casserengue e Riachão). 

Natureza, história, eventos, gastronomia, artesanato e cultura estão presentes em praticamente todos os lugares da cidade.

A cidade de Araruna está localizada no alto da serra que lhe empresta o nome (Serra da Araruna), numa altitude de cerca de 590 metros acima do nível do mar.

Igreja Nossa Senhora da Conceicao em Araruna
Igreja Nossa Senhora da Conceicao em Araruna

Com 18.879 mil habitantes de acordo os dados divulgados pelo Censo IBGE em 2010, e 140 anos a cidade de Araruna guarda a tranquilidade das cidades do interior do Brasil e a hospitalidade que só o ararunenses tem.

Mercado Cultural em Araruna
Mercado Cultural em Araruna

Araruna é um dos principais municípios do Agreste Paraibano, devido sua polarização aos demais municípios do Curimataú da Paraíba e Seridó potiguar, fazendo limite territorial com quatro municípios do estado do Rio Grande do Norte.

Está distante 165 quilômetros de João Pessoa, capital do Estado da Paraíba, cerca de 110 km de Campina Grande e a 120 km de Natal, capital do Rio Grande do Norte. Sua fundação ocorreu aos 10 de julho de 1876.

Araruna é certamente um dos municípios mais conhecidos no estado da Paraíba, seja pela fama de seu clima frio e ameno, que se distingui do quadro geral desta região se tornando uma ilha de clima ameno em pleno semi-árido, pois está inserida numa altitude de cerca de 590 metros acima do nível do mar, seja pelas suas belas paisagens geográficas, tais como as belas serras da Araruna e da Confusão, e do Parque estadual da Pedra da Boca, por nossos tradicionais eventos como o consagrado São João na SerraAraruna Moto Fest e Festa da padroeira de Nossa Senhora da Conceição.

Vídeos sobre Araruna e o Parque estadual da Pedra da Boca

Pontos Turísticos de Araruna PB

  1. Pedra da Macambira
  2. Santuário de Nossa Senhora da Conceição
  3. Mercado Cultural Professor Arnaldo Rodrigues
  4. Santuário de Nossa Senhora de Fátima
  5. Fazenda Maquiné
  6. Igreja de Santo Antonio
  7. Parque estadual da Pedra da Boca

1. Pedra da Macambira

Pedra da Macambira em Araruna
Pedra da Macambira em Araruna

A colossal Pedra da Macambira é  um imenso bloco granítico situado na porção norte do município de Araruna, no curimataú paraibano, na região do Vale do Rio Calabouço, rica em grutas, nascentes de água, escrituras rupestres, e sendo uma das divisas naturais da Paraíba e Rio Grande do Norte. Estando localizada em uma propriedade privada na zona rural de mesmo nome “Sítio Macambira”. .  

Bromelia laciniosa
Da família das bromeliáceas, as macambiras que dão nome à Pedra.

Neste afloramento rochoso nasce naturalmente a macambira (Bromelia laciniosa), planta presente em grande parte da vegetação nordestina do Brasil, no bioma caatinga, muito utilizada para o sustento bovino em tempos de secas. 

Pedra da Macambira esta situada a uma latitude de 6º 29’0,5.79″ Sul e longitude de 35º46’29” Oeste, a Pedra da Macambira possui cerca de 100 metros de comprimento e 80 metros de largura na sua parte superior, sendo um dos maiores afloramentos rochosos do município. 

Partindo da sede de Araruna até a Pedra da Macambira, são cerca de 8 km, onde se deve ir a saída da cidade em direção ao Rio Grande do Norte, sair do asfalto e adentrar na comunidade rural “Varelo de Cima” e seguir em direção ao Sítio Macambira e a comunidade São José.

Magnitude da Pedra da Macambira
Magnitude da Pedra da Macambira

A estrada vicinal é estreita, porém, a imensa dimensão da rocha ajuda guiar os desbravadores. 

No topo de seus mais de 380 metros de altitude é possível se observar todas as paisagens em seu redor, como a sede da cidade e municípios vizinhos. Nas proximidades da rocha  se localiza a comunidade rural denominada São José. 

Embora não tenha a mesma badalação verificada na Pedra da Boca, a Pedra da Macambira não decepciona, e sim surpreende, além da sua enorme dimensão, com suas fissuras, possuindo até uma que se assemelharia a uma boca, porém com dentes, é uma excelente opção para os amantes do bucolismo e da natureza. Ambas, (“Bôca” e Macambira) fazem parte do patrimônio natural de Araruna – PB.

O local tem grande vocação para os esportes radicais e de aventura, e esta aos poucos sendo frequentado por turistas de diversas regiões que praticam esportes como pedalada, corrida, rapel e escalada, além de possuir muitas trilhas, o que favorece esportes diversos.  Suas trilhas são curtas, mas exigem um preparo físico mínimo, possuindo mais de 1 (um) quilometro, em trechos íngremes, com densa vegetação.

A Pedra da Macambira está sendo “descoberta” por muitas pessoas, que, ao desbravarem a região acabam se encantando com o lugar, e se admiram com este imenso colosso granítico.

2. Santuário de Nossa Senhora da Conceição

Santuário de Nossa Senhora da Conceição em Araruna PB
Santuário de Nossa Senhora da Conceição em Araruna PB

O inicio da povoação  de Araruna, se deu após implantação de  uma fazenda de gado e edificação da antiga Capela de Santo Antonio, como pagamento de uma promessa realizada pelo Senhor Feliciano Soares do Nascimento a N. S. da Conceição, além da fixação de um cruzeiro de madeira diante a capela, desta forma se constituiu o primeiro arruado da povoação, iniciada em 1845, que aos poucos foi crescendo de forma lenta e espontânea, até que em 1876, ano de emancipação do município de Araruna , então distrito de Bananeiras – PB, foi construída a Nova Igreja Matriz.

A construção da Matriz iniciou em 1876, com o comando do Padre Rocha e de Frei Herculano, com ajuda da comunidade, conseguindo erguer esta magnifica obra da construção civil, porém sem que se cobrisse a edificação, ficando portanto inacabada.

No ano de 1900, na virada do século, o Padre Joel Esdras Lins Fialho continuou a peleja desta construção, de onde contratou no brejo paraibano o mestre César (portas e esquadrias) e o mestre Garcia (altar-mór e alvenaria), que ficaram responsáveis pelo término da obra, que só viria se concretizar em 1907, com o Padre Francisco Targino no comando da Paróquia, concluindo a fachada e os acabamentos internos.

Igreja Matriz em 1955 - Araruna PB
Igreja Matriz em 1955 – Araruna PB

Interessante o fato que por mais grandiosa que seja a Matriz de Araruna, em tamanho e imponência aos tempos de hoje, quanto mais considerando a época de sua construção, existia por parte da população ararunense uma aversão pelas proximidades da mesma, nos rumos de construções de moradias próximos a ela, onde havia uma vontade maior de se permanecerem em expansão as áreas em proximidade a antiga Igrejinha de Santo Antonio, de onde estavam lá encontrados o comércio e demais serviços urbanos.

Contam os mais antigos que a Nova Matriz ficava isolada e apenas era ligada ao resto do aglomerado urbano através de picadas abertas na mata, e acendimento de tochas flamejantes, para deslocamento da população e posterior acesso as missas.

Este isolamento ocorreu entre os anos de 1876 e 1908, e apenas encerrou com a construção do Mercado Público (atual Centro Cultural),  trazendo uma nova roupagem na economia do município, sendo divisor de águas de nossa história.

Durante este período de existência a Matriz de Araruna, já passou por diversas modificações em antigas reformas, que embora realizadas com uma boa intencionalidade,  acabaram por descaracterizar de forma irreversível todo valor estético, arquitetônico e histórico original da obra, entre estas reformas encontramos  como uma das mais gritantes a realizada entre 1953 e 1955, sobre o comando do pároco Monsenhor Joaquim de Sousa Simões, onde foram removidos da igreja  o altar-mór e os contrafortes das laterais (os famosos “gigantes de sustentação”), que davam um aspecto único e original a matriz, além da demolição  dos pavimentos superiores das galerias laterais. Estas infelizes reformas embora bem intencionadas, acarretaram também a remoção do piso original todo em tijoleira e do púlpito da madeira de cedro.

Igreja Matriz antes da reforma de 2000
Igreja Matriz antes da reforma de 2000

A Matriz de Araruna encontrou-se em situação deplorável e digna de pena por muitas décadas, onde se viam  infinidades de problemas de ordem interna e externa deteriorarem a belíssima igreja, onde sua beleza estava encoberta pela corrosão do tempo, até que em um gesto louvável no ano de 2000, o governo do estado da Paraíba, através do então Governador José Targino Maranhão,  filho de Araruna, e conhecedor dos entraves da matriz, resolveu salvar a igreja da situação em que se encontrava, e através de força maior inseriu em processo de tombamento a Igreja Matriz de N. S. da Conceição, aos 03 de maio de 1999. 

Uma nova reforma com vistas ao tombamento foi necessária, e realizada pelo governo da Paraíba em 2000, tendo como parceiros o Iphaep e a Fundação Casa de José Américo,  medida melhor não poderia ter sido tomada, e desta forma foi salva da destruição a matriz de Araruna, que no ano de 2001, através do então Bispo da Diocese de Guarabira – PB, Dom Antonio Muniz, foi elevada a Santuário.

Nesta reforma realizada em 2000, toda a estrutura física da matriz foi reavaliada e revitalizada, detalhes apagados ganharam vida, e por intermédio desta ação ainda hoje vislumbramos o Santuário de N. S. da Conceição bela, interna ou externamente, mas mesmo esta ação causou impactos, com a intenção de se criar uma sacristia, foi quebrado todo altar-mór mais uma vez, perdendo de vez mais uma porção da história do templo, em seu lugar foi colocado um novo  e imperioso altar-mor de madeira, digno de uma grandiosa igreja, mas que não chega a ser tão belo quanto os antigos altares-mór destruídos. 

Com o tombamento, obviamente os párocos ficaram impossibilitados  de realizarem intervenções que alterem o que resta de reminiscencias nos traçados mais antigos do prédio.

O Santuário de N. S. da Conceição, está ganhando uma sobrevida também nos menores detalhes a serem observados minunciosamente no interior da igreja, além da boa vontade do mesmo de zelar e cuidar do patrimônio do povo de Deus.

3. Mercado Cultural Professor Arnaldo Rodrigues

Mercado Cultural Professor Arnaldo Rodrigues em Araruna PB
Mercado Cultural Professor Arnaldo Rodrigues em Araruna PB

O atual Mercado Cultural Professor Arnaldo Rodrigues, está totalmente ligado a história da evolução urbana de Araruna, no que tange seu desenvolvimento, pois foi esta edificação que contribuiu com o progresso da cidade na primeira metade do século XX.  Este logradouro público foi construído com a designação de ser o Mercado Público da cidade, e foi esta finalidade que  exerceu por muitas décadas após sua construção.

O Velho Mercado de Araruna, e seus arredores. Fotografia de 1940
O Velho Mercado de Araruna, e seus arredores. Fotografia de 1940

 

Nos primeiros anos do século XX, foi erguido o primeiro mercado público de Araruna, idealizado pela família Targino, grupo influente politicamente no município, capitaneada pelos irmãos Pedro Targino Pereira da Costa (Major Pedro Targino) e Targino Pereira da Costa (Coronel Gino), só que para que realmente este projeto saísse do papel, foi de crucial importância, a determinação do misto de advogado e engenheiro José Amâncio Ramalho, e por mais que pese a participação dos Targino na construção do Primeiro Mercado, foi pelas mãos de Amâncio que a construção aconteceu.

Para Amâncio, Araruna tinha que sair do estado de inércia em que se encontrava, e buscar novo fôlego para crescer, e foi realmente isso que aconteceu, a paisagem urbana primitiva, saindo de seus arruados mal dispostos e foram aos poucos dando lugar a uma paisagem organizada com um alinhamento de ruas projetadas, além de sair do marasmo econômico em que se encontrava a então vila de Araruna.

Deste modo, o prefeito da época, Sebastião Soares Cabral (1907/1909), influenciado pelo grupo político Targino, aceitou o desafio de construir este prédio, a prefeitura porém, só dispunha de 8 dos 30 contos de réis necessários á obra, assim, Amâncio custeou os demais 22 contos de réis faltantes, em troca de 10 anos de aluguel do prédio.

Aproveito o espaço para exaltar a importância histórica de José Amâncio Ramalho, construtor do velho mercado de Araruna, pois foi com esta bem feitoria que em muito a cidade progrediu, no entanto, não existe sequer uma homenagem pública em seu nome, denominando uma rua ou outro tipo de lembrança.

A mesma se faria muito justa, para que as futuras gerações saibam de sua existência e importância.

Fachada principal do Velho Mercado Público. Fotografia de 1934 - Araruna PB
Fachada principal do Velho Mercado Público. Fotografia de 1934 – Araruna PB

A alegria para construção do Velho Mercado que iniciou em 1908, trouxe esperança para toda população ararunense, assim como nos conta Humberto Fonseca de Lucena:

Conta-se, em Araruna, que todo o povo, em grande animação, carregou pedras para a construção do mercado. Esse entusiasmo contribuiu para abreviar os trabalhos, cuja duração ocupou todo o resto de 1908 e prolongou-se por quase todo o ano seguinte, quando a obra foi dada por concluída com a chegada dos portões de ferro procedentes da Europa. Restavam o reboco e a pintura. Na verdade, faltava pouco.  (LUCENA, 1996, p.67).

O mercado então, construído, foi inaugurado aos 7 de setembro de 1909, data que consta em seu brasão no topo de sua fachada frontal. Assim, a urbanização da cidade aconteceu, o comércio se deslocou para o entorno do mercado, a feira-livre junto, além do aformoseamento da urbe, com a construção de novas casas em seu redor, um marco para o município.

Velho Mercado de Araruna e feira livre em seu redor na década de 1960
Velho Mercado de Araruna e feira livre em seu redor na década de 1960

E assim foi por  longos 59 anos, o prédio sendo utilizado como mercado público, até que o mesmo foi desativado no ano de 1966 pelo prefeito Targino Pereira da Costa Neto, que construiu um novo mercado público para cidade, com a abertura da avenida Benedito Fialho, o qual é utilizado até hoje.

Com isto, o “Velho Mercado” perdeu sua função, e ficou sem destinação por muito tempo, tendo grande parte do comércio em seu redor, migrado aos poucos, para junto do novo mercado, a administração municipal á época, o usou como garagem por algumas ocasiões, e pretendiam transformá-lo em sede da prefeitura de Araruna, mais não foi isso que aconteceu.

Detalhes da arquitetura original da Praça João Pessoa em 1940 - Araruna PB
Detalhes da arquitetura original da Praça João Pessoa em 1940 – Araruna PB

No ano de 2000, o “Velho Mercado” que tanto serviu a Araruna, foi restaurado, sendo salvo do estado de degradação avançada e desempenharia uma nova função, ganhou um novo título concebido por um projeto de lei, do então vereador Vital da Costa Araújo,  sendo denominado pelo prefeito Benjamin Maranhão Neto de “Centro Cultural e Social Professor Arnaldo Rodrigues”, nomenclatura que reverencia um antigo professor do município. 

Mercado Cultural em 2018, quando recebeu nova pintura, e uma atenção especial com seus detalhes em alto relevo na fachada - Araruna PB
Mercado Cultural em 2018, quando recebeu nova pintura, e uma atenção especial com seus detalhes em alto relevo na fachada – Araruna PB

O Velho Mercado de Araruna, é sem dúvida, a construção que mais contribuiu com o progresso urbano da cidade, e onde muitos dos episódios da vida cotidiana de nossa sociedade aconteceram, sua importância é grandiosa, sendo um dos mais conhecidos cartões postais da cidade, lugar que nos faz rememorar muitas reminiscencias.

4. Santuário de Nossa Senhora de Fátima

Santuário de Nossa Senhora de Fátima em Araruna PB
Santuário de Nossa Senhora de Fátima em Araruna PB

O Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Araruna, foi inaugurado aos 13 de Maio de 2010. O Santuário foi construído no Parque Estadual Ecológico da Pedra da Boca, idealizado pelo governador José Maranhão. No local também foi projetado o Memorial da Pedra do Letreiro, com suas inscrições rupestres.

Esta grande obra dispõe além de um grande espaço aberto com arquibancadas de instalações para lojas de artesanato e de artigos religiosos.

O sítio arqueológico é muito visitado por pesquisadores do mundo inteiro.

A importância do Santuário para a vida social e econômica da região e da Paraíba, é grandiosa, porque estimula o turismo religioso. Um outro aspecto da região é o turismo de aventura, com a prática de esportes radicais.                       

Algumas agências de turismo já programam visitas ao Santuário e região, para participar de missa e romaria mensais a cada dia 13, e na festa da padroeira, no dia 13 de maio, quando o município de Araruna recebe cerca de 10 mil fiéis.

5. Fazenda Maquiné

Fazenda Maquiné em Araruna PB
 Fazenda Maquiné em Araruna PB

Distante a poucos quilômetros (2km), da sede da cidade de Araruna, encontramos um lugar bucólico, de paisagens naturais bonitas e uma riqueza cultural surpreendente, nos referimos a Fazenda Maquiné, um verdadeiro tesouro de riqueza histórica do município.

A Fazenda Maquiné se encontra onde havia antes um engenho de mesmo nome “Engenho Maquiné”, de propriedade do famoso Targino Pereira da Costa, patriarca da Família Targino, falecido em 30 de agosto de 1887, membro da primeira Câmara de Vereadores.

O Maquiné representa um belo conjunto histórico arquitetônico constituído pela casa-grande capela, armazém, senzala e casa dos moradores, sendo esta capela a edificação mais antiga da fazenda, herdada por Dona Jesuína Paula d’Assunpção, cabendo ao seu filho Francisco Targino da Costa, que se ordenara padre o gesto da construção da capela em 1897, que tem como santos padroeiros Nossa Senhora do Bom Socorro e São Francisco de Assis. Cabe-se ressaltar que este padre, popularmente conhecido por Padre Targino, foi vigário da Paróquia de Araruna entre 1906 e 1919.  

Capela da Fazenda Maquiné
Capela da Fazenda Maquiné
Fazenda Maquiné e todo sua beleza
Fazenda Maquiné e todo sua beleza

6. Igreja de Santo Antonio

Igreja de Santo Antonio em Araruna PB
Igreja de Santo Antonio em Araruna PB

Marco inicial da fundação de Araruna, a antiga Capela de Nossa Senhora da Conceição, representa por si só um patrimônio de inestimável valor histórico e estético, com seu estilo arquitetônico barroco rural religioso do século XIX.

A antiga Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, atual Igrejinha de Santo Antonio, foi marco inicial da urbanização da cidade de Araruna.

Foi nela depositada a fé de um homem, que por volta de 1845, havia feito promessa a Imaculada Conceição, padroeira da cidade, este homem era o Senhor Feliciano Soares do Nascimento, vindo de Jacu dos Órfãos no Rio Grande do Norte, fez uma promessa a santa, da qual se fosse concedida graça ergueria uma capela em sua homenagem no alto da Serra de Araruna, tarefa difícil devido ao isolamento do local a época.

Sobre esta construção parece ter havido inicialmente uma primeira capelinha que com o decorrer dos anos foi sendo ampliada e melhorada até adquirir a forma ostentada até hoje.

Foi com certeza o marco inicial da urbanização da cidade, pois foram em seu redor edificadas as primeiras casas, Araruna neste tempo não possuía plano diretor municipal, as casas não seguiam regras de alinhamento, apenas obedeciam às imposições da topografia do local.

Em redor da então Matriz da Conceição, eram realizadas as feiras do município, a imponência da Igreja de Santo Antonio era tão forte, que nem mesmo a construção da nova Matriz foi capaz de lhe tirar a preferência da companhia do povo de Araruna, as pessoas teimavam em construir suas casas em direção em sentido norte/sul, em direção a atual Rua Perilo de Oliveira, onde se encontra o cemitério e em direção da saída a Cacimba de Dentro, fato este que deixava a matriz nova isolada, tendo a população que ascender tochas e cortarem mato para chegarem na nova igreja, que foi inaugurada no ano da emancipação política de Araruna (1876).

Isolamento este que findou após a construção do Mercado Publico, atual Centro Cultural de Araruna.

A paisagem urbana mais remota de Araruna era o da Igrejinha junto ao cruzeiro, este que tinha de cada lado duas filas de casas (que até hoje se encontram), deixando no meio um largo, o famoso “Largo da Igrejinha”, que compôs a primeira rua do povoado, no lugar deste cruzeiro em 1966, foi construído um parque infantil, e mais tarde na década de 90 uma escola municipal, que descaracterizou de vez a visão mais definidora da geografia humana de Araruna. Este cruzeiro foi recuperado e atualmente está posto ao lado da matriz de Nossa Senhora da Conceição em frente à Praça João Pessoa.

7. Parque estadual da Pedra da Boca

mapa turístico do Parque Estadual da Pedra da Boca - Araruna
mapa turístico do Parque Estadual da Pedra da Boca – Araruna

Complexo rochoso do Parque Estadual da Pedra da Boca esta situado no município paraibano de Araruna, na microrregião do Curimataú Oriental.

O Parque Estadual da Pedra da Boca é uma reserva ecológica e ambiental que apresenta um dos mais importantes patrimônios geológicos do estado da Paraíba e do Brasil, possuindo uma área de cerca de 160 hectares na zona rural de Araruna, onde também se encontra a povoação rural de Água Fria, sendo um lugar que encanta a todos que o visitam por suas mais diversas belezas.

O Parque da Pedra da Boca foi criado em 2000, pelo então governador da Paraíba o senhor José Targino Maranhão, e localiza-se num acidente geográfico de inavaliável valor natural e geológico, incrustado entre os contrafortes da Serra da Confusão e da Serra de Araruna, na divisa dos estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte, que embora separados pelo rio Calabouço, são intimamente ligados, onde os mesmos contemplam em conjunto as suas agradáveis paisagens, principalmente a famosa Pedra da Boca, que se destaca diante outros afloramentos rochosos, como a grande atração da reserva ecológica da qual lhe empresta o nome.

mapa turistico da Paraíba
mapa turistico da Paraíba

Atrações turísticas

  1. Pedra da Boca,
  2. Pedra da Caveira,
  3. Pedra do RN
  4. Prática de rapel

As atrações turísticas do parque atraem milhares de turistas nacionais e internacionais todos os anos, de onde os quais têm como opção as práticas de turismo das mais variadas modalidades, de acordo com os mais variados gostos, a exemplo de turismo de contemplação, ecológico, aventura, religioso, além de ser campo de estudo acadêmico científico de geógrafos, historiadores, arqueólogos de todo Brasil.

Pedra da Boca no Parque estadual da Pedra da Boca
Pedra da Boca no Parque estadual da Pedra da Boca

O Parque além de apresentar afloramentos rochosos magníficos como a Pedra da Boca, Pedra da Caveira (Pedra do Anselmo), Pedra do RN, Pedra do Carneiro e Pedra do Letreiro, para citar algumas, ainda apresenta um valiosíssimo acervo de inscrições rupestres, que são os vestígios dos passos dos indígenas que habitavam estas regiões serranas de Araruna e circunvizinhança potiguar, localizados na Pedra do Letreiro, onde também se encontra o Santuário de Nossa Senhora de Fátima, que atrai muitas pessoas para suas tradicionais missas a todo dia treze de cada mês e em especial no mês de maio onde milhares de pessoas, visitam o parque e nele vêm depositar sua fé.

Pedra da Caveira no Parque Estadual da Pedra da Boca
Pedra da Caveira

O Parque Estadual da Pedra da Boca apresenta paisagens naturais fabulosas que encantam quem o contempla, seu potencial turístico econômico é gigante, de Araruna e do estado da Paraíba, sendo um local viável para o desenvolvimento da população local,  aliando desenvolvimento econômico e a preservação do meio ambiente, nesta maravilha que brotou no solo do município de Araruna.

Guia de Turismo de Araruna e Parque estadual da Pedra da Boca na Paraíba

Não perca nenhuma Publicação!

Não fazemos spam!

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Hide picture