Arquitetura Europeia – Cronologia, Estilos e Características

A arquitetura europeia teve varios estilos arquitetônicos que mudam lentamente ao longo dos séculos.

Ao contrário de outros estilos, como a moda ou o design de mobiliário, os estilos de construção mudam muito mais lentamente ao longo dos séculos.

No entanto, o estilo arquitetónico de um edifício também nos pode indicar a sua época de origem.

Cronologia dos estilos arquitetônicos europeus

  • Românico – do final do século X ao século XII
  • Gótico – século XII ao século XVI
  • Renascentista – início do século XV até o começo do século XVI
  • Barroco – no final do século XVI na Itália, e que se prolongou na Alemanha e na América do Sul colonial, até ao século XVIII
  • Rococó – século XVIII
  • Neoclássica – de 1750 a 1830 – século XVIII e início do século XIX
  • Historicismo – século XIX e no início do século XX
  • Arte Nova – de 1890 a 1910
  • Moderno – de 1930 ao início dos anos 1960

Cada estilo tem as suas próprias características que o tornam fácil de reconhecer e distinguir de outros estilos arquitetônicos.

Ao mesmo tempo, é claro que também existem sobreposições no que diz respeito a certos elementos dos estilos arquitectónicos históricos.

Dependendo da região, os respectivos estilos foram predominantes em épocas diferentes.

Estilos e características arquitetônicas

Vamos dar-lhe uma breve visão geral das épocas e das suas características arquitetônica.

1. Arquitetura Românica

O período românico na Alemanha começa no início da Idade Média e pode ser dividido, grosso modo, em três épocas:

  • Românico inicial: de 900 a 1070
  • Românico alto: de 1070 a 1170
  • Românico tardio: de 1170 a 1240

O estilo românico pode ainda ser encontrado em edifícios como igrejas, mosteiros e castelos.

Os edifícios que podem ser atribuídos a este estilo arquitetónico são frequentemente maciços e escuros.

Embora as suas fachadas sejam bastante simples, as áreas por cima das janelas e das portas foram concebidas de forma elaborada.

Arquitetura Românica
Arquitetura Românica

Por cima destas aberturas na alvenaria, encontram-se normalmente arcos semicirculares. Para além disso, encontram-se por vezes as chamadas rosas de janela e numerosas decorações, como figuras ou rostos.

A arquitetura românica caracteriza-se por edifícios maciços com arcos semicirculares nas janelas e aberturas.

Os edifícios sagrados, como igrejas, mosteiros e castelos, foram construídos no estilo arquitetónico românico.

As paredes grossas e as janelas pequenas são características deste estilo arquitetónico. Os edifícios maciços e escuros têm geralmente fachadas simples.

Os arcos semi-circulares são utilizados nas janelas, portas e aberturas de alvenaria.

Foi utilizado o friso de arco redondo, um elemento decorativo de arcos semicirculares utilizado para desenhar superfícies de paredes e fachadas.

Além disso, nos edifícios do período romântico encontram-se mosaicos ornamentados de paredes e pavimentos com padrões geométricos feitos de mármore.

2. Arquitetura Gótica

O período gótico seguiu-se ao período românico.  O gótico foi substituído pelo Renascimento no século XVI.

arquitetura Gótica
Arquitetura Gótica

Os edifícios góticos caracterizam-se normalmente pelas seguintes características:

  • edifícios maioritariamente altos
  • obra de filigrana
  • arcos pontiagudos
  • traçados
  • reforços exteriores
  • paredes exteriores a céu aberto
  • janelas de vidro colorido com estrutura fina
  • rosas de janela
  • gárgula

A construção em esqueleto com abóbadas de nervuras cruzadas caracteriza os interiores e permite a abertura das paredes.

Elementos arquitetônicos góticos
Elementos arquitetônicos góticos

Para além disso, existe um sistema elaborado de contrafortes que torna possível a construção de catedrais altas.

Arquitetura Gótica
Arquitetura Gótica

3. Arquitetura do Renascimento

O período gótico foi substituído pelo Renascimento, que também marcou o início da era moderna. Começou no primeiro terço do século XV e terminou em meados do século XVI.

O termo Renascimento vem do francês e significa renascimento.

Características gerais:

  • racionalidade,
  • dignidade do Ser Humano
  • rigor científico
  • ideal Humanista
  • reutilização das artes greco-romana 
  • na arquitetura renascentista, a ocupação do espaço pelo edifício baseia-se em relações matemáticas (geometria, perspectiva)
Arquitetura do Renascimento
Arquitetura do Renascimento

Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse período muitos progressos e incontáveis realizações no campo das artes, da literatura e das ciências, que superaram a herança clássica.

O ideal do humanismo com a valorização do homem e da natureza, em oposição ao divino e ao sobrenatural, conceitos que haviam impregnado a cultura da Idade Média 

Nesta época, os edifícios antigos eram o modelo da arquitetura. Sobretudo, foram copiados elementos da arquitetura romana.

Os arquitectos desta época tinham muito cuidado em manter a simetria e as proporções rigorosas.

Arquitetura do Renascimento
Arquitetura do Renascimento

Os elementos utilizados baseavam-se frequentemente em formas geométricas.

Nesta época, os locais sagrados foram convertidos. As igrejas, por exemplo, destinavam-se a servir de locais de reunião. Além disso, os edifícios eram frequentemente revestidos de mármore claro.

4. Arquitetura Barroca

A arte barroca originou-se na Itália (séc. XVII) mas não tardou a irradiar-se por outros países da Europa e a chegar também ao continente americano, trazida pelos colonizadores portugueses e espanhóis.

Arquitetura Barroca
Arquitetura Barroca

A arquitetura barroca abrange os séculos XVII e XVIII tem o patrocínio da igreja católica que, investindo em obras ricas e suntuosas, tenta resgatar os fiéis perdidos para o protestantismo.

O barroco busca afirmar a soberania católica, as artes desse período são marcadas pela exaltação de Deus e da Igreja. 

Arquitetura Barroca
Arquitetura Barroca

Características da arquitetura barroca:

  • forte presença de espaços e formas ovais, que trazem a ideia de centralização
  • uso da cruz grega, que identifica o cristianismo
  • fachadas convexas ou côncavas, que reforçam a ideia de movimento
  • uso de colunas tortas e de arcos
  • elementos decorativos de muita exuberância e forte presença do dourado
  • efeitos em gesso ou estuque
  • sensação de infinitude e grandeza
  • murais e pinturas nos tetos
  • uso da iluminação para criar a sensação de mistério
  • exaltação de Deus e de Cristo como figuras principais
  • fortes contrastes na iluminação, cor e forma
  • muitas pinturas elaboradas

Durante um curto período de tempo, o Barroco foi ultrapassado pelo Rococó, que foi depois substituído pela Arquitetura Neoclássica.

Veja também História da Arquitetura Barroca no Nordeste do Brasil e Minas Gerais

5. Arquitetura Rococó

A arquitetura rococó (1700-1790), frequentemente conhecida como barroco tardio, é um estilo de arquitetura altamente ornamental e teatral.

Arquitetura Rococó
Arquitetura Rococó

Enquanto a arquitetura barroca começou em Roma para exprimir os mistérios religiosos, a arquitetura rococó desenvolveu-se em Paris como um estilo secular.

A arte e a decoração do Rococó combinam simetria, uso delicado de cores claras, curvas amplas, douramento, molduras esculturais e frescos Trompe-l’œil para criar uma ilusão de drama e movimento.

O rococó é, sobretudo, um estilo de decoração de interiores residenciais. 

As características da arquitetura rococó estabelecem um sentido de emoção dramática com energia e ação.

Características da arquitetura rococó:

  • texturas ricas/Tratamentos de superfície ricos
  • paleta de cores claras
  • espaços assimétricos
  • formas curvas/espremidas – especialmente cúpulas
  • elementos retorcidos
  • formas irregulares ou complicadas
  • superfícies côncavas e convexas para imitar a ondulação
  • grandes escadarias
  • grandeza exagerada
  • utilização do oval, tanto na planta como na ornamentação
  • tratamentos Trompe-I’oeil em interiores – Recurso técnico-artístico empregado com a finalidade de criar uma ilusão de ótica.
  • agrupamentos de colunas e nichos
  • pinturas luxuosas e dramáticas nos tectos e paredes.
  • imagens que criam ilusões de ótica
  • ornamento rococó deriva de formas naturais – conchas, flores, bem como algas marinhas, particularmente se forem de dupla curva em S.

6. Arquitetura Neoclássica

Arquitetura neoclássica, renovação da arquitetura clássica durante o século XVIII e início do século XIX.

Arquitetura Neoclássica
Arquitetura Neoclássica
Arquitetura clássica, arquitetura da Grécia e de Roma antigas, especialmente do século V a.C. na Grécia até ao século III d.C. em Roma, que privilegiava a coluna e o frontão.

Caracteristicas da arquitetura Neoclássica:

  • filas de colunas
  • uma grande escala
  • plantas rectangulares ou quadradas
  • pouca ornamentação
  • pórticos, frisos e outros elementos de design grego e romano
  • telhados abobadados, planos e de duas águas, consoante o estilo
  • arquitetura voltou a estar mais fortemente orientada para a Antiguidade

No entanto, ao contrário do Renascimento, baseava-se sobretudo em modelos da antiguidade grega.

As colunas, em particular, eram frequentemente utilizadas como elemento de design nos edifícios clássicos.

Na maioria dos casos, existe também o chamado pórtico, ou seja, uma galeria cujo teto ou abóbada são sustentados por colunas ou por uma arcada.

Estes elementos estilísticos podem ser vistos, por exemplo, na Casa Branca em Washington D.C.. Consoante a classificação, a época de construção abrange o período de 1770 a 1840.

O modelo da arquitetura classicista eram sobretudo os templos gregos da Antiguidade. Nesta época, a arquitetura era expressa pelo desejo de monumentalidade, pompa e grandeza.

A estrutura em cúpula suportada por colunas era muito popular. As formas básicas clássicas, como triângulos, círculos, colunas e quadrados, eram também cada vez mais utilizadas.

7. Arquitetura Historicista

O historicismo, também chamado Romantismo, desenvolvido principalmente no século XIX e no início do século XX, concentrou todos os seus esforços na recuperação da arquitetura do passado.

Tratava-se de imitar estilos arquitetónicos de outras épocas, incorporando algumas características culturais desse século, enquanto a arquitetura eclética se dedicava a misturar estilos para dar forma a algo novo.

Tal como o Neoclássico antes dele, o Historicismo também se inspira em épocas arquitetônicas anteriores.

Muitos subtipos estilísticos podem ser observados no Historicismo:

  • Neo-Romanesco
  • Neo-Gótico
  • Neo-Bizantinismo
  • Neo-Barroco

A técnica de construção utilizada depende, por vezes, da função do edifício em causa.

Por exemplo, é frequente encontrar igrejas construídas em estilo gótico, ao passo que, por exemplo, as casas de cidade estão mais orientadas para o estilo renascentista e os edifícios representativos seguem principalmente o estilo barroco.

Atualmente, muitos edifícios podem ser atribuídos à época estilística do Historicismo – o que, por vezes, também se deve ao forte boom de construção desta época, desencadeado pela Revolução Industrial.

8. Arquitetura Arte Nova

Na história da arquitetura, a Arte Nova surgiu por volta da viragem dos séculos XIX e XX.

Casa Milá, em Barcelona (Espanha), do arquiteto catalão Antoni Gaudí, é um exemplo de obra no estilo Art Nouveau
Casa Milá, em Barcelona (Espanha), do arquiteto catalão Antoni Gaudí, é um exemplo de obra no estilo Arte Nova

Entre outros nomes, o estilo também é conhecido como L’Art Noveau, Estilo de Secessão ou Estilo Moderno.

É de notar, no entanto, que a Arte Nova não era inicialmente um estilo autónomo; em vez disso, a delimitação atual desenvolveu-se a partir de vários estilos.

O estilo Art Nouveau é inspirado no mundo natural, caracterizado por formas sinuosas, esculturais e orgânicas, arcos, linhas curvas e ornamentação sensual.

Os elementos decorativos encontrados no interior e no exterior dos edifícios incluem trabalhos de mosaico intrincados, vidros coloridos e curvos e ferro forjado decorativo.

O que estes diferentes estilos tinham em comum era, sobretudo, o facto de se afastarem do historicismo que prevalecia até então.

Art Nouveau na Arquitetura
Art Nouveau na Arquitetura

As características da Arte Nova incluem:

  • motivos comuns incluem versões estilizadas de folhas, flores, videiras, insectos, animais e outros elementos naturais.
  • Figuras
  • formas sinuosas, esculturais e orgânicas, arcos, linhas curvas e ornamentação sensual.
  • afastamento da simetria
  • desenho segundo o lema “arte e vida”

É de notar, no entanto, que devido aos diferentes estilos, nem todas as características têm de aparecer em conjunto.

9. Arquitetura Modernismo Clássico

Por volta de 1900, juntamente com o Expressionismo, o Futurismo e o Cubismo, inicia-se a fase do Modernismo Clássico.

Os edifícios da arquitetura moderna centravam-se na razão, na lógica e na funcionalidade pura.

Arquitetura Modernismo Clássico
Arquitetura Modernismo Clássico

Assim, os pormenores representativos e a ornamentação conspícua foram omitidos.

Os materiais utilizados nos edifícios eram materiais de construção fabricados industrialmente.

As características da Modernismo Clássico incluem:

  • funcionalidade
  • sem ornamentação
  • planos de espaços abertos, funcionais e fluidos
  • estrutura exposta
  • utilização de materiais modernos como o betão armado, o vidro e o aço
  • utilização de materiais tradicionais de forma inovadora
  • plantas baixas abertas
Hide picture