Diamante tem 4 classificações básicas, peso, cor, pureza e corte

Antes de descobrir como identificar um diamante verdadeiro, vamos saber mais sobre essa pedra especial. Originária do grego, a palavra diamante quer dizer “adamas“, que significa “indestrutível” e as suas primeiras versões se formaram há mais de 2,5 bilhões de anos.

Desejada por muitos, essa é uma das pedras nobres mais conhecidas do mundo. De modo geral, estamos falando de uma espécie de cristal, pertencente à categoria dos minerais nativos. 

Pedras de Diamante Lapidadas
Pedras de Diamante Lapidadas

Tal matéria é composta por carbono puro, mas em forma cristalizada. Aliás, este é o material mais sólido de todo o planeta, sendo também uma das pedras mais caras que existem. 

O diamante bruto pode ser encontrado nas minas. Porém, ao serem extraídos, tendem a apresentar uma forma distinta daquela que encontramos nas joalherias — ou seja, opacos. O brilho, porém, vem após a lapidação

Hoje em dia, existem diamantes produzidos em laboratórios. Diferentemente do que se acredita, eles não consistem em peças modificadas, mas sim, apresentam o mesmo composto químico daquelas encontradas na natureza.

Características do diamante verdadeiro

  • Na natureza, o diamante pode se formar de diferentes maneiras. Ainda assim, para que isso aconteça, é necessário que o ambiente apresente pressões e temperaturas altíssimas. O modo mais frequente ocorre nos mantos terrestres, que estão situados a 150 km de profundidade;
  • A sua estrutura é formada por átomos de carbono puro, distribuídos em seus vértices e, somente um, em sua área central. Isso faz com que a pedra seja compacta e com elevada densidade (3,5g / cm3);
  • O diamante apresenta alta dureza. De acordo com a Escala de Mohs, a pedra apresenta dureza de 10 — valor máximo que a medida consegue alcançar; 
Tabela de dureza de mohs
Tabela de dureza de mohs
  • É uma pedra que não pode ser riscada por nenhuma outra, muito menos, por materiais distintos. Somente um diamante verdadeiro consegue causar riscos no outro; 
  • O diamante possui alto índice de refração. Assim, após a sua lapidação, é possível obter uma peça extremamente brilhante.

Como identificar um diamante

Como identificar um diamante verdadeiro

Mas, afinal, como identificar um diamante verdadeiro? Ter esse cuidado é essencial, ainda mais, porque o número de falsificações de pedras preciosas é cada vez maior. 

E, diante disso, é claro que você não deseja correr o risco de se enganar durante uma compra, não é mesmo? 

Ao ter a garantia de adquirir um diamante verdadeiro, será possível ter em mãos uma joia valiosa, confeccionada a partir dos melhores materiais do mercado e que, como resultado, poderá durar muitos e muitos anos, podendo, até mesmo, fazer parte da história de sua família.

O lado bom é que existem diferentes métodos que podem ser praticados por quem deseja aprender como identificar um diamante verdadeiro. Listamos esse passo a passo para te ajudar nessa tarefa:

1. Use a técnica do bafejo

Um truque muito simples para entender como identificar um diamante verdadeiro é a técnica do bafejo. Funciona assim: você terá que colocar o diamante em frente à boca e soltar o ar. O processo é o mesmo que realizamos em um espelho ou vidro, quando queremos escrever algo em sua superfície.

Se a pedra continua embaçada por mais de dois segundos, as chances de se tratar de uma falsificação são grandes. Um diamante real é conhecido pelo seu poder de dispersar o calor rapidamente, impedindo o efeito embaçado por muito tempo.

2. Considere o metal que acompanha a joia 

Dificilmente, você encontrará uma joia de diamante acompanhada de um metal de baixo valor, como o aço inoxidável. Por isso, é necessário sempre considerar o material onde a pedra preciosa está cravada

A dica é observar na parte interna da joia e identificar o quilate do metal. As opções nobres, normalmente, apresentam as seguintes iniciais: 

  • 10K; 
  • 14K; 
  • 18K; 
  • 585; 
  • 750; 
  • 900; 
  • 950; 
  • PT; 
  • Plat

Em contrapartida, caso encontre a inicial C.Z, de zircônia cúbica, é muito provável que o diamante não seja verdadeiro.

3. De olho no brilho

Um diamante verdadeiro possui reflexos em tonalidades acinzentadas — e nunca coloridas (mesmo os diamantes coloridos). Com isso em mente, se a pedra for analisada e apresentar reflexos em cores diferentes, é melhor ficar atento. 

Não se esqueça que as pedras preciosas originais possuem um elevado grau de refração. Isso quer dizer que, diante de uma boa fonte de luz, refletem um brilho intenso e único, em qualquer lado de sua gema.

4. Vá até um joalheiro

Por último, o método mais eficiente para identificar um diamante verdadeiro é levando a joia até o relojoeiro. Com instrumentos específicos, esse profissional conseguirá perceber as imperfeições que somente uma pedra verdadeira possui. Enquanto isso, as versões falsificadas costumam ser muito bem acabadas, com o mínimo de falhas. 

Vale destacar que essas imperfeições são originárias do processo natural de mineração — tecnicamente conhecidas como inclusões. Como resultado, ao observá-las com uma ferramenta própria, o relojoeiro conseguirá saber se o material conta com manchas ou pequenas variações de cor.

Quais são os tipos de diamante

Para saber como identificar um diamante verdadeiro, é preciso ter em mente que existem diferentes cores dessa pedra preciosa na natureza. Na maioria das vezes, elas se apresentam em versões amarelas e brancas translúcidas, quase incolores. 

De todo modo, o Gemological Institute of America (GIA) também estipulou certos padrões para classificar esse material e os seus tons. A classificação começa na letra D, que significa incolor, até a Z, que diz respeito aos modelos de tonalidade marcante. 

Informações técnicas sobre gemas são sempre importantes para quem atua na área de designer de joias, por isso, este artigo as informações sobre os 4Cs dos diamantes.

As 4 classificações básicas do diamante

O diamante tem 4 características básicas.

Mais que um investimento, um diamante representa uma expressão de afeto e amor; sua compra deve ser uma experiência segura e agradável.

Pensando nisso, o GIA (Gemological Institute of America), desenvolveu um padrão de classiicação de diamantes que é o mais aceito em todo mundo e que mudou a forma como os diamantes são comercializados.

Este sistema, conhecido como “Os 4 Cs” se baseia na classiicação dos diamantes com referência às suas 4 características básicas do diamante.

As 4 características básicas do diamante “Os 4 Cs”:

  1. Carat (o peso em quilates)
  2. Color (sua cor)
  3. Clarity (seu grau de pureza)
  4. Cut (o seu corte ou lapidação)

Conhecendo os 4 Cs, você pode fazer uma compra segura, baseada em informações precisas e pode, com mais facilidade, comparar diamantes oferecidos por vários fornecedores.

1. Primeiro C – Carat (peso)

O quilate é uma unidade de medida de peso que representa 200 miligramas, ou 1/5 de uma grama. Um diamante de 1 quilate pesa, então, 0,20 gramas.

O quilate se subdivide em 100 unidades chamadas PONTOS. Desta maneira, um diamante de 30 pontos possui 0,3 quilates de peso.

Considerando-se o mesmo tipo de lapidação, por exemplo o “Brilhante”, quanto maior o peso (quilate) maior será a pedra. Veja abaixo:

Peso (quilate) e tamanho do diamante
Considerando-se o mesmo tipo de lapidação, por exemplo o “Brilhante”, quanto maior o peso (quilate) maior será a pedra.

2. Segundo C – Color (cor)

Para facilitar a comunicação entre compradores e vendedores de diamantes, o GIA criou um padrão de classiicação de cores de diamantes que se inicia na letra D e termina na letra Z.

Quanto menos cor um diamante apresenta, maior sua classificação na escala.

Diamantes com classiicação de cor entre D e F são considerados incolores, sendo D a classiicação usada para diamantes totalmente sem cor.

A medida que o diamante vai apresentando mais tons de amarelo, ele vai descendo na escala, até chegar na classiicação (letra) R.

O preço de um diamante diminui quanto mais cor ele apresentar. A partir da letra S, o diamante é considerado “fancy” e classiicado de maneira diferenciada.

Classiicação de cores de diamantes
Classiicação de cores de diamantes

A ABNT/IBGM utiliza a seguinte deinição, em português, para traduzir a escala de cor do GIA.

Classiicação de cores de diamantes

  • D – Excepcionalmente incolor extra
  • E – Excepcionalmente incolor
  • F – Perfeitamente incolor
  • G – Nitidamente incolor
  • H – Incolor
  • I – Cor levemente perceptível
  • J – Cor perceptível
  • K – Cor levemente visível
  • L – Cor visível
  • M – N – Cor levemente acentuada
  • O – Z – Cor acentuada
  • Acima de Z (Fancy) – Cor incomum ou extraordinária

Entre as tonalidades mais comuns, estão: 

  • Diamante amarelo – um diamante amarelo apresenta nitrogênio em sua composição. Uma pequena porcentagem desse composto é o suficiente para transformar um diamante incolor em uma peça amarelada.
  • Diamante laranja – o diamante laranja também apresenta concentração de nitrogênio. A única diferença, é que os átomos são alinhados de um modo muito específico, fazendo com que essa opção seja extremamente rara.
  • Diamante azul – o diamante azul é formado pelo elemento Boro e pode ser encontrado tanto em versões claras quanto em escuras.  
  • Diamante vermelho – o diamante vermelho é o diamante mais raro que existe, sendo encontrado somente na África, Austrália e Brasil. Existem ainda algumas variações dessa cor, como acontece com o diamante rosa.

3. Terceiro C – Clarity (grau de pureza)

O diamante deve brilhar com profusão e apresentar um “fogo interno” digno da mais valiosa das pedras preciosas.

O grau de pureza do diamante se refere à presença (ou não) de inclusões e manchas que possam diminuir seu valor.

No Brasil estas manchas e inclusões são também conhecidas como “jaça”.

A avaliação de pureza do diamantes é feita pelo proissional, utilizando a lupa de mão de 10X ou microscópio gemológico com lente de 10X.

A quantidade, tamanho, posição e natureza das imperfeições (jaça) deinem o grau de pureza do diamante. Um diamante classiicado IF (Internally Flawless – Internamente livre de inclusões) é considerado o mais puro.

A ABNT/IBGM utiliza as seguintes definiçôes, em português, para traduzir a escala de pureza do GIA (ver quadro próxima página

Grau de pureza do diamante

  • FLAWLESS (FL) – Internamente e externamento puro
  •  IF – Internamente livre de inclusões
  • VVS1 e VVS2 – Inclusão ou inclusões pequeniníssimas, muito diiceis de serem visualizadas com lupa de 10x
  • VS1 e VS2 – Inclusões muito pequenas, difíceis de serem visualizadas com lupa de 10x
  • SI1 e SI2 – Inclusões pequenas, fáceis de serem visualizadas com a lupa de 10x
  • I1 – Inclusões evidentes com lupa de 10x
  • I2 – Uma inclusão grande ou inúmeras inclusões menores, fáceis de serem visualizadas a olho nu
  • I3 – Uma inclusão grande ou inúmeras inclusões menores, muito fáceis de serem visualizadas a olho nu
Grau de pureza do diamante
Grau de pureza do diamante

4. Quarto C – Cut (corte ou lapidação)

A classiicação de corte do diamante diz respeito a como o diamante foi cortado e lapidado.

Esta classiicação não deve ser confundida com o tipo de lapidação do diamante (Brilhante, Navette, Oval, etc).

O corte é o mais importante dos 4 Cs e diz respeito à qualidade de sua lapidação.

Uma lapidação bem feita garante ao diamante um brilho e fogo, que o faz se diferenciar das outras gemas.

A lapidação consiste em dois parâmetros muito diferentes: as proporções (ângulos e alturas) e o grau de acabamento (simetria e polimento), que traduzem, antes de qualquer coisa, o cuidado e a experiência com que a gema foi tratada no momento da lapidação.

A figura abaixo, refere-se ao corte “Brilhante”, considerado ideal. Todos os ângulos e proporções foram cientiicamente definidos para garantir a melhor performance da luz dentro do diamante e seu retorno aos olhos do observador, criando as cores e brilho que se vê em um diamante de alta qualidade.

Lapidação ou corte do diamante

  • Excellent – Lapidação Excelente
  • Very Good – Lapidação Muito Boa
  • Good – Lapidação Boa
  • Fair – Lapidação Aceitável
  • Poor – Lapidação Fraca
Corte ou Lapidação no Diamante
Corte ou Lapidação no Diamante

Quanto melhor o corte, lapidação, simetria e polimento do diamante, melhor o retorno de luz e por sua vez, maior seu valor.

A ABNT/IBGM utiliza as seguintes definiçôes, em português, para traduzir a escala de corte do GIA.

Retorno da luz no diamante 

  • Excellent – Lapidação Excelente
  • Very Good – Lapidação Muito Boa
  • Good – Lapidação Boa
  • Fair – Lapidação Aceitável
  • Poor – Lapidação Fraca
Quanto melhor o corte, lapidação, simetria e polimento do diamante, melhor o retorno de luz
Quanto melhor o corte, lapidação, simetria e polimento do diamante, melhor o retorno de luz
Tipos de Lapidação de Diamantes
Tipos de Lapidação de Diamantes

 

Hide picture