Biografia de Antônio Francisco Lisboa mais conhecido como Aleijadinho

Aleijadinho é considerado o maior representante do barroco mineiro, sendo conhecido por suas esculturas em pedra-sabão, entalhes em madeira, altares e igrejas.

Biografia de Antônio Francisco Lisboa mais conhecido como Aleijadinho

Antônio Francisco Lisboa (1738-1814), mais conhecido pelo apelido de Aleijadinho, nasceu em Ouro Preto, capital de Minas Gerais colonial.

A tradição relata que seu pai era um carpinteiro português, e sua mãe, uma escrava africana.

Antônio Francisco Lisboa, o aleijadinho
Antônio Francisco Lisboa, o aleijadinho

Nativo de uma província do interior descoberta e fundada por exploradores brasileiros (e não portugueses), e tipicamente brasileiro também no sangue, misto de português e africano, ele é com razão aclamado por seus compatriotas como uma figura verdadeiramente “nacional”.

Sabe-se muito pouco de sua vida.

Era, segundo consta, um mulato pequeno e disforme, que sofreu nos últimos anos de vida de uma misteriosa doença que o tornou tão aleijado que ele não conseguia mais andar; ficou com os dedos encarquilhados, e o rosto foi tão atingido, que se tornou medonho e repulsivo.

Consciente do horror que sua aparência inspirava, desenvolveu um medo mórbido de ser visto, chegando nisso a extremos exageros.

Porém, mesmo escondido por toldos, continuou a trabalhar incansavelmente, e era seu escravo favorito, Maurício, quem amarrava o formão e a marreta as suas mãos paralisadas.

Fachada do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas MG
Fachada do Santuário de Bom Jesus de Matosinhos em Congonhas MG

Quando tinha quase 60 anos, assumiu o encargo de esculpir 64 imagens de madeira em tamanho natural e doze gigantescas estátuas de pedra para a igreja de peregrinação de Congonhas do Campo, cidadezinha localizada entre São João del Rei e Ouro Preto.

Levou dez anos para completar essa tarefa.

As figuras de Congonhas são muito desiguais na qualidade, como se refletissem o avanço acidentado da terrível doença do escultor, porém incluem trabalhos que talvez sejam as obras de arte mais dramáticas da América do Sul.

Veja Santuário de Bom Jesus de Matozinhos em Congonhas MG

Obras de Aleijadinho no Santuário de Bom Jesus de Matozinhos em Congonhas MG 

A realização artística do Aleijadinho, em vista de sua severa deficiência física, tem um significado muito particular para os brasileiros.

A luta para manter uma civilização moderna nos trópicos, cuja criação foi um evento histórico único, demanda uma inexaurível energia e a recusa em admitir derrota diante dos constantes obstáculos.

Nesse sentido, a vida do Aleijadinho é considerada um exemplo simbólico por seus compatriotas.

Além disso, como artista que desenvolveu um estilo original, abandonando a imitação provinciana dos precedentes europeus, o Aleijadinho se torna uma figura de importância não só para o Brasil, mas para todo o continente americano.

Com efeito, pode ser considerado o pioneiro que expressou em sua arte, da maneira mais vigorosa, mais impressionante e mais decisiva, a emancipação do Novo Mundo em relação ao Velho.

Biografia de Obras de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho

A província de Minas Gerais, cenário dos monumentais trabalhos do Aleijadinho, é uma das regiões mais ricas do mundo em minerais.

Suas pedras preciosas rivalizam com as do Ceilão e, entre outros imensos recursos, há montanhas inteiras de puro minério de ferro.

Já em meados do século XVI, alguns exploradores portugueses haviam atingido as cabeceiras do rio Jequitinhonha, na serra do Espinhaço, penetrando essa formidável cadeia de montanhas, apesar dos índios hostis, e atingindo a bacia do rio São Francisco.

Ali encontraram belas pedras verdes que pensaram ser esmeraldas, mas não passavam de turmalinas.

A esse período pertence a lenda sobre a existência de uma cadeia de montanhas rebrilhante de metais preciosos, a serra de Sabarabuçu.

Esta passou a exercer sobre os primeiros exploradores do Brasil Central a mesma atração mágica que a terra dos Omáguas, o lago Parima e as fabulosas cidades de Manoa do El Dorado exerceram sobre Sir Walter Raleigh e outros aventureiros que subiam o Orenoco e o Orellana.

A decepção causada pelos sucessivos e custosos fracassos ocorridos na segunda metade do século XVI desencorajou novas tentativas de descobrir esmeraldas e prata, que se acreditava existirem no interior do Brasil.

Apenas na década de 1660 reiniciaram-se as buscas, numa derradeira e obstinada esperança de encontrar remédio para a bancarrota econômica de Portugal, arruinado por quarenta anos de guerra com a Holanda e a Espanha.

A Coroa Portuguesa não podia mais arcar com as despesas envolvidas no projeto, confiando portanto a tarefa a exploradores brasileiros locais, os colonos de São Paulo, uma comunidade nativa, isolada de Portugal há tanto tempo, que falava a língua guarani de preferência ao português.

Em suas pequenas igrejas de madeira, há entalhes — evidentemente obra de indígenas ou de artesãos mestiços — que copiavam os altares barrocos portugueses, mostrando curiosa semelhança com os relevos românicos em seu estilo plano e primitivo.

Quando D. Afonso VI de Bragança escreveu aos paulistas para conclamar sua ajuda, não poderia ter escolhido homens mais aptos para as explorações propostas.

Desde 1603, quando uma bandeira, ou seja, uma expedição em busca de indígenas para escravizar, comandada por Nicolau Barreto, penetrou até Potosí, no vice-reino espanhol do Peru, os aventureiros paulistas vinham explorando os enormes sertões do continente, atacando as aldeias dos missionários jesuítas pelo domínio das nações indígenas do interior.

Em 1641, uma bandeira foi derrotada na confluência dos rios Mbororé e Uruguai, a cerca de mil quilômetros de São Paulo, numa batalha de três dias.

Os canhões improvisados pelos jesuítas com caules do gigantesco bambu de Iguaçu decidiram o conflito.

Os paulistas perceberam, então, que suas expedições em busca de escravos tornavam-se cada vez menos lucrativas. Portanto, assim que receberam a Carta Régia, responderam de imediato, deixando a caça aos índios pela procura das esquivas minas de prata e esmeraldas.

O maior dos bandeirantes da época, Fernão Dias, autodenominado “Caçador de Esmeraldas”, chefe da ilustre família Paes Leme, passou sete anos entre 1674 e 1681 explorando o sertão do Espinhaço.

Morreu na viagem de volta, após encontrar apenas pedras semipreciosas, mas sua heróica expedição marcou a rota para os exploradores
seguintes que, finalmente, na última década do século XVII, encontraram depósitos de ouro maiores do que quaisquer outros até então descobertos em todo o mundo.

A identidade do primeiro descobridor é incerta, mas a tradição indica nomes como os do guia Bartolomeu Bueno de Siqueira e de Garcia Rodrigues Paes Leme, filho de Fernão Dias, posteriormente nomeado guardião hereditário ou guarda-mor geral das Minas do Ouro.

A distribuição dos povoados mineradores, situados em três grandes grupos às margens dos principais rios em que havia ouro, corresponde à tríplice divisão da bacia hidrográfica da região aurífera.

Os acampamentos pioneiros logo se transformavam em vilas de tamanho considerável, cada qual com suas características.

O núcleo do povoado mais ao norte, Sabará, foi fundado às margens do rio das Velhas, tributário do rio São Francisco, por um genro de Fernão Dias, mas depois foi colonizado sobretudo por imigrantes da Bahia e de Pernambuco.

Entre os numerosos e belos edifícios coloniais de Sabará destacam-se a capela de Nossa Senhora do Ó2, decorada com painéis pintados em estilo chinês, e a monumental igreja de Nossa Senhora do Carmo.

O conde Francis de Castelnau, que visitou Sabará em 1843, chamou a atenção para essa última igreja, observando: “le portail est orné aux parties extérieures et superiéures d’une sculpture assez bien executée par um manchot” (O frontispício é ornamentado nas partes exteriores e superiores com esculturas bastante bem executadas por um maneta.).

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO CARMO EM OURO PRETO
IGREJA DE NOSSA SENHORA DO CARMO EM OURO PRETO

A decoração de Nossa Senhora do Carmo em Ouro Preto foi um dos primeiros trabalhos empreendidos pelo incansável Aleijadinho, a cuja reputação lendária Castelnau acrescenta mais um elemento de confusão, descrevendo-o como tendo uma só mão.

O ornamentado estilo rococó das igrejas do fim do século XVIII, estreitamente associado ao Aleijadinho, pode ser mais bem apreciado em São João del Rei, cidade central das minas sulistas.

São João del Rei, às margens do rio das Mortes — remoto tributário do rio da Prata que deságua no Atlântico 3.600 quilômetros a sudoeste —, foi fundada pelo bandeirante João de Siqueira Afonso, e conservou durante toda a época da mineração do ouro um caráter marcadamente paulista.

IGREJA DE SÀO FRANCISCO DE ASSIS EM OURO PRETO
São Francisco de Assis em Ouro Preto

Nessa cidade, há dois grandes monumentos associados ao estilo Aleijadinho: a igreja de Nossa Senhora do Carmo e outra, ainda mais esplêndida, a de São Francisco de Assis, cuja fachada tanto impressionou Sir Richard Burton.

Veja Pontos Turísticos, Arquitetura e História de Ouro Preto MG

A terceira e mais importante concentração de minas de ouro se situava entre os afluentes da cabeceira do rio Doce, que corre para leste, englobando os riachos das montanhas vizinhas da serra de Ouro Preto.

Aqui, um bandeirante fundou uma povoação à beira do ribeirão do Carmo, elevada em 1745 à condição de cidade e sede do bispado de Mariana.

Oito quilômetros rio acima, outro pioneiro, o paulista Antônio Dias de Oliveira, começou a extrair ouro em 1698, no sítio que daria origem à antiga Vila Rica de Ouro Preto, sede do governo da província e mais tarde do estado de Minas Gerais.

No século XVIII, a vila tinha mais de 30 mil habitantes, número que caiu depois para pouco mais de um quarto desse total.

Na arquitetura e na escultura, Ouro Preto, como é chamada hoje, foi o centro onde se desenvolveu o estilo Aleijadinho.

Ao viajante que percorre as tortuosas montanhas de Minas Gerais, visitando as cidades-fantasmas dessas remotas paisagens de pedra, parece bem condizente com o cenário que o principal escultor e decorador das igrejas da região tenha sido uma figura fantástica e legendária, um aleijado de quem se dizia que perdera o uso das extremidades, trabalhando com o formão e a marreta amarrados às mãos paralisadas.

Como os atuais habitantes de Minas Gerais vivem muito no passado, para eles o Aleijadinho ainda é uma figura bastante real.

Assim, o historiador Salomão de Vasconcellos, estando em Morro Grande, perto de Sabará, cerca de doze anos atrás, recolheu de um velho, cujo avô conhecera o Aleijadinho pessoalmente, várias lembranças fragmentárias conservadas na família.

O escultor Alejadinho — sempre mencionado por seu nome de batismo, Antônio Francisco — teria ficado, ao que parece, um tempo considerável em Morro Grande, trabalhando na decoração da igreja matriz.

Segundo o relato desse velho, ele era um mulato corpulento, que sempre tinha dois negros à disposição para ajudá-lo em tarefas como mover os blocos de pedra que esculpia.

Cobria a cabeça com um pano quando saía, preferindo, sempre que possível, trabalhar dentro da igreja, a fim de evitar a luz do sol.

Certa ocasião, a propósito de uma disputa sobre salários com a administração, todos os trabalhadores empregados nessa construção fugiram, inclusive Antônio Francisco, que foi, contudo, detido na cidade próxima de Caeté e trazido de volta para completar seu contrato.

O Aleijadinho morreu em 1814, época em que o ouro aluvial de Minas Gerais estava praticamente exaurido.

Hoje em dia, permanecem apenas aquelas esplêndidas cidades do ouro, despovoadas, isoladas e de difícil acesso, quase inalteradas desde o início do século XIX, como testemunho da antiga prosperidade. O panorama que as rodeia é magnífico.

Ouro Preto MG
Ouro Preto MG

Chegando a Ouro Preto pelo sudoeste, a estrada passa por uma elevação, o Alto do Morro.

Ouro Preto fica logo abaixo do Itacolomi, um pico de forma estranha, encimado por dois gigantescos pináculos negros de ferro.

Usado outrora como marco pelas bandeiras paulistas, ele domina a cidade a sudeste, formando um fantástico pano de fundo.

Essa cidade Ouro Preto, antigamente chamada Vila Rica — onde o Aleijadinho nasceu, viveu provavelmente a maior parte de sua vida e faleceu —, fica na encosta norte do profundo vale pedregoso do ribeirão do Carmo. Treze igrejas barrocas coroam as encostas e colinas que atravessam o sítio.

As ruas íngremes são pavimentadas com ardósias, ferro e granito, e seis pontes maciças do século XVIII atravessam o ribeirão e seus riachos tributários.

Em meio a densos grupos de casas coloniais e jardins tropicais, bem providos de touceiras de bananeiras e uma ou outra palmeira, erguem-se diversos palácios particulares, construídos no século XVIII por grandes mineradores de ouro e funcionários do governo.

Dezesseis monumentais chafarizes portando inscrições latinas fornecem à cidade água em abundância — sendo a água mais pura do que o latim, como notou Sir Richard Burton.

Do lado norte do morro de Santa Quitéria, que corta a cidade mais ou menos ao meio, fica o palácio fortificado dos Governadores, numa ampla praça. Do outro lado, vêse uma enorme prisão, semelhante a uma fortaleza, cuja fachada ornamentada faz lembrar o Capitólio de Roma.

A leste do morro de Santa Quitéria, fica a matriz de Nossa Senhora da Conceição de Antônio Dias, o povoado paulista original e, a oeste, a matriz de Nossa Senhora do Pilar, paróquia da comunidade de imigrantes portugueses.

Os imponentes edifícios públicos no espigão central simbolizam a autoridade que sobrepujava e mantinha sob controle as comunidades isoladas (na verdade, por muito tempo hostis) da Vila Rica setecentista.

A cidade de Ouro Preto conservou até hoje muitos traços da velha divisão entre as duas paróquias, que refletem um antagonismo entre idéias e modos de vida.

Os imigrantes portugueses de Ouro Preto eram conservadores e tendiam à intolerância, chamando os paulistas de caboclos, em desdenhosa referência a seu sangue parcialmente índio e suas maneiras simples, enquanto estes últimos apelidavam os suplantadores de emboabas, ou seja “pernas emplumadas”, um elaborado insulto que aludia ao estilo de suas vestimentas.

A derrota final dos caboclos, em franca desvantagem na sua luta contra os emboabas, foi simbolizada em Vila Rica por uma festa de magnificência sem paralelo, realizada em 1733, conhecida como Triunfo Eucarístico.

O evento central dessa comemoração foi uma procissão de figuras alegóricas, sagradas e profanas, incluindo os quatro ventos e os sete principais corpos celestes, representados como deuses e deusas romanos e literalmente cobertos de ouro e pedras preciosas.

Serviu como pretexto dessa procissão, e das subseqüentes festas e exibições de fogos de artifícios, a transferência do Santíssimo Sacramento para a recém-construída igreja matriz de Nossa Senhora do Pilar.

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR
IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR EM OURO PRETO MG

Dessa forma teatral, a matriz dos emboabas teve sua supremacia proclamada e confirmada sobre a matriz rival de Antônio Dias, cuja inauguração não obteve reconhecimento tão extravagante. Estava, assim, selada a irrevogável subordinação dos paulistas à comunidade portuguesa.

O Aleijadinho pertencia, assim como seu pai imigrante, à paróquia de Antônio Dias, e nessa igreja foi enterrado.

O Triunfo Eucarístico ocorrera cinco anos antes de seu nascimento e, quando ele atingiu a idade madura, a velha hostilidade entre paulistas e emboabas já fora quase esquecida, superada pela nova ameaça, bem mais assustadora para as autoridades portuguesas, da conspiração de 1789, conhecida como Inconfidência Mineira.

Da mesma forma, a antiga rivalidade eclesiástica entre as duas paróquias fora superada pela construção em larga escala de igrejas de irmandades, associações de leigos reunidos sob a proteção de um santo padroeiro ou da Virgem Maria.

Particularmente notáveis pelos seus empreendimentos construtivos, a partir da década de 1760, foram as Ordens Terceiras de Nossa Senhora do Carmo e de São Francisco de Assis.

Suas igrejas em Ouro Preto, Mariana, Sabará e São João del Rei, que rivalizam em importância com as grandes igrejas matrizes, foram todas construídas na mesma época, pertencendo à geração dos inconfidentes, com os quais a igreja de São Francisco de Assis de Ouro Preto tem uma ligação especial.

Essas igrejas franciscanas e carmelitas são também os principais monumentos do novo estilo Aleijadinho, que representou uma revolução artística na colônia, contrariando em quase todos os aspectos a arquitetura maneirista de derivação portuguesa, que até então exercia predominância absoluta.

É natural comparar a bem-sucedida revolução artística, levada a cabo pelo Aleijadinho nas décadas de 1770 e 1780, com a malograda revolução política planejada pelos inconfidentes de 1789.

Mas, apesar de pertencer à mesma geração dos conspiradores — e embora possa ser dito a seu respeito que no campo artístico sua obra reflete a emancipação de sua terra em relação a Portugal —, um grande abismo, representado pelo seu sangue mestiço, separava-o dos inconfidentes, seus contemporâneos.

É certo que um dos inconfidentes mais ardorosos, o coronel Ignácio José de Alvarenga Peixoto, chegou a sugerir que se proclamasse a liberdade dos escravos mestiços e mulatos, parte pouco relevante da comunidade escrava, mas até mesmo essa pequena concessão foi considerada por seus companheiros como precipitada e perigosa.

Os mulatos de Minas Gerais, elemento numeroso e sempre crescente da população, eram vistos com desconfiança pela classe superior branca.

Teoricamente livres, tinham status servil, pois sua liberdade, em grande parte, não passava de uma dádiva vazia. Não desempenharam, portanto, nenhum papel na conspiração de 1789, que no fundo significava para eles pouco mais do que uma tentativa de mudar a classe dominante, substituindo os brancos portugueses pelos brancos nativos.

O mais provável seria que os mulatos apoiassem os escravos do que os senhores. Excluindo suas irmandades, que ofereciam uma válvula de escape religiosa para sua energia frustrada, os mulatos não tinham nenhuma instituição social capaz de dar apoio e autoconfiança aos seus membros.

Assim, embora constituíssem um elemento potencialmente revolucionário em Minas Gerais, faltava-lhes a coesão que possibilitou, por exemplo, à comunidade mulata do Haiti desempenhar papel ativo numa insurreição ali ocorrida na mesma época.

A limitação de oportunidades que o Aleijadinho sofreu, devido a sua condição social inferior de mulato, significa uma desvantagem que realça ainda mais o tour de force de suas realizações.

Todos os viajantes estrangeiros ilustres, que visitaram Minas Gerais no século XIX, ficaram impressionados com alguns dos aspectos desse tour de force. “No modo de suas esculturas”, escreveu Auguste Saint-Hilaire, “há um certo ar de grandeza que indica um talento natural extremamente pronunciado neste artista que nunca viajou e não teve exemplos que o instruíssem”.

Esse paradoxo e a unicidade de seu trabalho — que não teve antecessores nem sucessores comparáveis em Minas Gerais — conferem um especial interesse ao estudo das origens de seu gênio artístico.

Seu biógrafo oitocentista, Rodrigo Ferreira Brêtas, informa apenas que “o conhecimento que tinha de desenho, de arquitetura e escultura fora obtido na escola prática de seu pai, e talvez na do desenhista e pintor João Gomes Baptista, empregado como abridor de cunhos na Casa da Fundição desta capital (Ouro Preto)”.

João Gomes Baptista e o pai de Aleijadinho, Manoel Francisco Lisboa, eram homens de calibre muito diferente. Este último, carpinteiro e depois também pedreiro, terminou sua carreira como mestre-de-obras e foi sempre, essencialmente, um artesão.

O primeiro, ao contrário, era um hábil artesão especialista em metais, tendo estudado numa das melhores escolas da Europa Ocidental, a Casa da Moeda de Lisboa, onde deve ter sofrido influência do grupo internacional de artistas e artesãos ali reunidos sob o patrocínio de D. João V.

Entretanto, seja qual for a importância atribuída a Gomes Baptista e a Manoel Francisco na formação do Aleijadinho, há um consenso geral de que a influência de ambos é insuficiente para explicar certos aspectos do trabalho do aluno.

Assim, foram feitos enormes esforços para indicar outros mestres, sugerindo-se vários nomes que acabaram todos se revelando inaceitáveis. Um crítico abandonou a tarefa, declarando em desespero que o Aleijadinho é um mito.

A hipótese mais provável apresenta João Gomes Baptista como, de fato, seu único mestre de desenho, tendo adquirido informações adicionais e sobretudo idéias, de fontes literárias diversas, tais como gravuras e livros ilustrados.

Seja como for, a obra do Aleijadinho apresenta uma variedade por vezes desconcertante, o que dá mais força ao paradoxo apontado por Saint-Hilaire: “um escultor que nunca viajou e não teve exemplos que o instruíssem”.

Superpostos ao estilo rococó básico, ele empregava desenhos que já foram relacionados a fontes bizantinas, góticas, renascentistas e até orientais.

Se o paradoxo de Saint-Hilaire é acentuado pela variedade de seu trabalho; por outro lado, o paradoxo de Burton — “trabalho manual de um homem sem mãos” — é sublinhado pelo volume de sua produção.

Burton encontrou “os valores do ubíquo Aleijadinho espalhados por toda a província de Minas Gerais”, porém naquela época creditava-se ao artista muita coisa que não era sua.

As referências escritas do século XIX registram, com base na tradição e na voz corrente, dezessete igrejas e capelas relacionadas ao seu trabalho.

Mas, o que é comprovadamente de sua autoria, segundo a evidência de documentos, já constitui uma obra enorme, mesmo levando-se em conta o auxílio que recebia de escravos e aprendizes.

A explicação psicológica é que, isolado da vida social normal, ele sublimava todas suas consideráveis energias com uma devoção apaixonada, canalizando-as apenas para sua arte.

Fachada da São Francisco de Assis de São João del Rei
Fachada da São Francisco de Assis de São João del Rei

Suas obras mais significativas foram feitas para três igrejas as de

  • São Francisco de Assis de Ouro Preto (fachada e interior)
  • São Francisco de Assis de São João del Rei (fachada)
  • Santuário de Congonhas do Campo (imagens para as capelas da Via Crúcis e estátuas do adro fronteiro)

Obras de Aleijadinho na São Francisco de Assis de Ouro Preto (fachada e interior)

Seguem-se, em importância, obras para a

  • Igreja de Nossa Senhora do Carmo de Ouro Preto (fachada e interior),
  • Igreja Nossa Senhora do Carmo de Sabará (fachada e interior)
  • Igreja Nossa Senhora do Carmo de São João del Rei (fachada)

A longa lista de outras obras comprovadamente suas ou a ele atribuídas, embora extensa, tem relativamente pouca importância artística, comparada com o que se encontra nas seis igrejas mencionadas.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo em Ouro Preto MG
Igreja de Nossa Senhora do Carmo em Ouro Preto MG
Igreja Nossa Senhora do Carmo de Sabará MG
Igreja Nossa Senhora do Carmo de Sabará MG
Igreja Nossa Senhora do Carmo de São João del Rei MG
Igreja Nossa Senhora do Carmo de São João del Rei MG

Permanece ainda o problema do grau de sua participação pessoal nas esculturas e talhas que lhe são comprovadamente atribuídas, ou reconhecidas como de sua autoria pelo consenso geral.

Sabe-se que o Aleijadinho empregava assistentes, sendo um deles seu escravo Maurício.

Até que ponto fazia uso dos serviços desses ajudantes? Não se pode dar uma resposta precisa, porém não resta dúvida de que ele mesmo tenha executado seus trabalhos mais importantes em Ouro Preto, Congonhas e Sabará, e talvez também em São João del Rei.

E uma vez que os projetos e o impulso criativo de toda sua obra eram seus, parece irrelevante para sua reputação final de artista a contribuição de seus assistentes com alguma parte do trabalho.

O Aleijadinho foi basicamente um entalhador ou escultor de ornatos, tendo executado figuras e ornamentos para as fachadas e interiores das igrejas.

Trabalhava com madeira e pedra.

Mas, nas fachadas de suas igrejas, a escultura está a tal ponto integrada ao projeto arquitetônico, que Aleijadinho também faz jus, de certa forma, ao título de arquiteto, paralelamente ao de escultor.

Segundo consta, esse duplo status foi reconhecido em sua própria época, embora as distinções formais entre o papel de pedreiro, arquiteto e escultor fossem, ao que parece, menos precisas do que hoje.

A estimativa da importância de seu trabalho não pode, em conseqüência, se limitar a sua obra de escultura e talha.

Deve incluir também o estilo de arquitetura decorada, que predominou por curto tempo nos principais centros urbanos de Minas Gerais, nas últimas décadas do século XVIII e primeiros anos do XIX.

A emancipação cultural do Brasil em relação a Portugal, na segunda metade do século XVIII, juntamente com seu inevitável corolário, o desenvolvimento de um caráter nacional brasileiro, tem estreita relação com os mulatos, fossem eles padres, pregadores, missionários, pintores, músicos ou escultores.

Seu gênio para a música e para as artes plásticas foi herdado do lado africano, e eles não competiam com seus contemporâneos portugueses na literatura.

O Aleijadinho personifica o exemplo clássico do mulato cuja imensa inteligência, cheia de energia e potencialmente rebelde, foi sublimada na arte religiosa.

As tradicionais histórias a seu respeito, narradas por Rodrigo Ferreira Brêtas, estão mais próximas da realidade do que a própria verdade, como os comentários sobre o temperamento do mulato — em particular os que se referem ao comportamento contraditório para com seus escravos.

Ele chegou, por exemplo, a assinar cartas de alforria para eles, porém guardava-as trancadas numa caixa, de modo que nunca foram libertados.

Os casos mais marcantes relatados por Brêtas são, entretanto, os que se referem à maneira hostil e cheia de ressentimento com que tratava os fidalgos portugueses com os quais manteve contato.

Tais histórias datam do período 1797 a 1803, quando Minas Gerais foi governada pelo general D. Bernardo José de Lorena, posteriormente elevado a conde de Sarzedas e nomeado vice-rei da Índia portuguesa.

São essas histórias, fantasiosas porém simbólicas, que dão um colorido particular à interpretação dos últimos trabalhos do Aleijadinho como expressões de protesto social e de anseio pela independência que libertasse o país de uma classe dominante brutal e escravagista.

Assim, em Congonhas do Campo, a figura do profeta Isaías pode ser considerada como reflexo de uma identificação inconsciente do escultor com seu modelo, um desejo de associar-se a essa formidável figura do Antigo Testamento que denunciou os mesmíssimos abusos e corrupções que infectavam a sociedade na qual vivia o próprio Aleijadinho.

Sua ambivalência emocional também pode tê-lo levado a identificar-se com as figuras nobres e melancólicas do Cristo, submetendo-se aos sofrimentos da Via Crúcis, com sua Maria Madalena em prantos, e até mesmo as duas figuras excepcionalmente expressivas do pensativo Judas, cheio de remorsos, da Última Ceia , ou ainda a do Mau Ladrão da Crucificação, desafiador mas estranhamente trágico.

Os soldados romanos nos grupos da Via Crúcis são representados com narizes excessivos e caricatos, que lhes dão uma aparência desumana, quase diabólica. “Por certo”, ponderou Burton, “esses guerreiros de narizes romanos nunca poderiam ter existido, a menos que utilizassem o apêndice nasal como o elefante usa sua tromba”.

Já se sugeriu que a intenção do Aleijadinho, talvez conhecida por alguns de seus contemporâneos, fosse a de satirizar e expressar simbolicamente nessas imagens seu ódio aos arrogantes soldados da Cavalaria, que atuavam como policiais na província mineradora, responsáveis por muitas brutalidades.

Essa interpretação das figuras de Congonhas é tão atraente quanto plausível, podendo dessa forma o Aleijadinho ser considerado como precursor de Orozco e Portinari, em cujos trabalhos a crítica social foi particularmente proeminente e expressiva.

Mas, apenas a uma parte da obra do Aleijadinho pode-se aplicar essa interpretação. Nas figuras da Via Crúcis, por certo, há razão de se suspeitar de uma mensagem social, mas nas estátuas dos profetas, ao contrário, o artista se interessou de tal forma pelas personalidades individuais — concebidas através de seu estudo dos livros proféticos —, que essa preocupação predominante tornou secundárias e recessivas quaisquer implicações sociais.

Os profetas de Congonhas foram esculpidos em pedra, enquanto as imagens da Via Crúcis e uma imponente figura de São Jorge em Ouro Preto foram entalhadas em madeira.

De modo geral, o trabalho do Aleijadinho em madeira é mais expressionista, mais propenso ao sarcasmo e à caricatura, e portanto com intenção mais clara de crítica social, enquanto seu trabalho em pedra se afigura mais nobre e profundo, como se ele adaptasse sua maneira à natureza de cada material.

As obras-primas da arte do Aleijadinho possuem um espírito que ultrapassa as limitações locais e temporais.

A amplidão de seus interesses, e seu enfoque curiosamente impessoal, se revelam em suas representações de tipos raciais.

A atitude impessoal fica demonstrada pelo fato de nunca ter ele representado um negro ou um mulato em suas esculturas.

Isso é tanto mais notável tendo-se em vista que dois de seus amigos artistas, seu meio-irmão, o padre Félix Lisboa, e seu colega Manoel da Costa Athaide, fizeram isso repetidas vezes.

O primeiro, entalhou imagens de santos africanos, como o Santo Antônio (o negro de Catagerona) e o São Benedito (o mouro de Palermo) da igreja do Rosário de Ouro Preto, enquanto o segundo, pintor de grande encanto e interesse, decorou o teto da nave de São Francisco de Assis, em Ouro Preto, com cabeças de querubins mulatos.

Se é verdade que evitou o negro, o Aleijadinho mostrou, entretanto, extraordinário interesse por outros tipos raciais. Para seu São Jorge, segundo consta, tomou como modelo um arrogante fidalgo (coronel José Romão), resultando em um belo retrato de um tipo fisionômico tradicional, que ainda se encontra, por exemplo, nos Açores.

Em Congonhas do Campo, deixando de lado os narizes romanos que horrorizaram Burton, há entre os profetas uma série de estudos magistrais de feições orientais, judaicas, árabes e mongólicas.

Nesse aspecto de seu trabalho, assim como em muitos outros, o Aleijadinho transcende, pelo espantoso alcance de sua imaginação, as limitações de sua terra e sua época.

Pode-se pensar que os amplos e variados interesses que transparecem em sua arte têm significado simbólico para o império português, que no século XVIII ainda abrangia o mundo inteiro, desde as costas da China e da Índia até os confins da África e do Brasil, com ilhas indonésias e atlânticas de permeio.

Já iam longe os dias em que o grande Albuquerque planejara, com grandes esperanças de sucesso, tomar de assalto Meca para resgatar Jerusalém em troca dos restos mortais do profeta.

A supremacia portuguesa nos mares orientais há muito fora sobrepujada, porém a única nação européia que conseguira estabelecer uma cidade em território chinês continuava a exercer grande influência no sul e no leste da Ásia, através de trezentas missões que ainda mantinha, espalhadas por toda a península e arquipélago da Índia.

A riqueza de Minas Gerais setecentista sustentou, portanto, as ilimitadas aspirações da Coroa de Portugal e fortaleceu todo o mundo lusitano.

O ouro da serra do Espinhaço permitiu a D. João V reconquistar o interior de Goa dos príncipes Maratha e garantiu a boa vontade do Império Celestial, por meio de gestos dispendiosos como o envio do embaixador Alexandre Metelo de Sousa e Meneses ao imperador Yung Cheng.

Assim, pode-se considerar as cidades auríferas do sertão de Minas Gerais como centros econômicos de um império marítimo em declínio, mas ainda imponente e de enorme extensão. E talvez seja nessa perspectiva que se deva avaliar a arte do Aleijadinho.

Hide picture