Home / Nordeste Guia Turismo / Pernambuco / Litoral Sul / Cabo de Santo Agostinho é o lugar mais ocidental de Pernambuco

 

Cabo de Santo AgostinhoCabo de Santo Agostinho é um município brasileiro do estado de Pernambuco e esta localizado a 40 quilômetros de Recife.

São nove praias distribuídas em uma área de 445 quilômetros quadrados, com águas cristalinas, areias brancas, recifes de arenito, rochas vulcânicas, piscinas naturais, manguezais, coqueirais, igrejas, ruínas históricas que datam do século 17, mirantes e falésias.

As praias do Cabo de Santo Agostinho são ideais para praticar esportes náuticos como mergulho e pesca, além de atividades mais radicais como o rapel, trekking e parapente.

Um dos programas mais realizados na cidade é o passeio de buggy, melhor maneira de visitar as praias, mirantes e a Vila de Nazaré, onde estão as ruínas históricas, além de tomar o banho de argila, famoso pelos benefícios estéticos do material.

É um conjunto de belezas pelas quais os turistas visitam o Cabo de Santo Agostinho.

As praias ideais para praticar esportes náuticos, mergulho, pesca, rapel, trekking, e parapente.

Batizado de Costa dos Arrecifes devido aos sucessivos recifes que o pontuam, este trecho de litoral compreende as praias do sul de Pernambuco no sentido Recife-Maceió – desde a cidade de Cabo de Santo Agostinho, onde fica o porto de Suape, até Tamandaré, próximo de Alagoas, com acesso principal pela PE-060.

As melhores praias são Gaibu, Calhetas, Pedra do Xaréu e Camboa, em Cabo de Santo Agostinho, pela PE-028; Muro Alto, Cupe, da Vila e Maracaípe, em Porto de Galinhas, pela PE-038; e Carneiros e Tamandaré, em Tamandaré, pela PE-076.

Podem-se conhecê-las em rápidos passeios a partir de Recife, uma vez que a praia mais distante do roteiro fica a cerca de 100 quilômetros.

mapa Cabo de Santo Agostinho PE

Praias no Cabo de Santo Agostinho em Pernambuco

Praia de Suape localiza-se entre o Rio Massangana e a Praia do Paraíso. Um extenso recife de arenito atúa de barreira formando uma verdadeira piscina gigante, sem ondas, ideal para banho e esportes náuticos.

A praia é um ponto de encontro dos bugueiros, conta com bares, restaurantes, pousadas e um importante Resort.

Praia do Paraíso é a mais pequena praia do Cabo, formada por um morro de pedras vulcáncas e duas baías, a praia toda conta com só 30 metros, é um local ideal para quem gosta da tranquilidade e sossego.

Oferece passeios de barco pelas diferentes ilhas e só tem um barcinho flutuante.

Praia do Cabo de Santo Agostinho é alí onde encontra-se o ponto de divição entre o continente africano e sul-americo, um acidente geográfico com mais de 100 milhões de anos. A praia do Cabo de Santo Agostinho é mencionada como o local do descobrimento do Brasil pelo espanhol Vicente Pinzón.

Praia de Calhetas é uma baía ideal para mergulho, pesca submarinha e para pegar deliciosos banhos de mar em águas azuladas e quentinhas.

Conta com bons restaurantes e bares tradicionais para curtir no meio da natureza, coqueirais, rochas vulcânicas e a beleza incrível da vegetação da Mata Atlântica.

Calhetas é considerada como uma das praias mas bonitas do mundo.

Praia de Paiva é aonde os recifes de corais formam piscinas naturais, fazendo da praia de Paiva um local ideal para banho, com belas paisagens compostas de areais brancas, mar azul e cinco quilômetros de um denso coqueiral.

A praia do Paiva é o primeiro ponto do Cabo e a maior praia do municipio. O ecesso é feito pela praia.

Desde o ano 1987 se realiza a Festa da Lavadeira, um importante evento popular da região.

O nome da praia de Gaibu é de origem tupi (aybu), é significa “Olho D’água”. Quase a praia toda é percorrida por uma barreira de recifes de coral, até parece que a praia tivesse um muro no meio da água. 

É uma praia ideal para a prática do surf. Um dos seus atrativos é a escalada do Morro das Pedras, desde ali voce pode ver uma linda perspetiva do mar e da praia de Calhetas.

Praia de Gaibu é uma das praias mas procuradas do litoral do Cabo, ali tem bons restaurantes, bares, hoteis e pousadas

Enseada dos Corais é uma praia ideal para banho, seus arrecifes formam charmosas piscinas naturais. Nesta bela praia encontram-se as reservas ecológicas Mata do Zumbi e Mata das Duas Lagoas. 

Localiza-se entre a praia de Gaibú e a Pedra do Xaréu.

Na Enseada dos Corais vai encontrar boas opções de hospedagem.

Praia de Itapuama localiza-se entre a Pedra do Xaréu e a Praia do Paiva.

O significado do nome Itapuama é de “Pedra Bonita”. A praia de Itapuama carateriza-se pelas rochas volcánicas e coqueiros que conformam a sua paisagem bonita.

É uma praia com boas ondas, procurada para surf e conta com barcinhos na orla e boas pousadas para se hospedar.

Pedra do Xaréu fica do lado da praia do Paiva. É uma praia de ondas médias e areias claras. No meio de rochas volcánicas, na maré baixa formam-se piscinas naturais ideais para banho e mergulho.

O seu nome é dado pela grande quantidade de peixe xaréu que se encontram na orla. É um bom ponto para degustar deliciosos frutos do mar.

Outra possibilidade é hospedar-se por alguns dias em Cabo de Santo Agostinho ou em Porto de Galinhas, ambas com infra-estrutura de pousadas, hotéis e resorts.

Veja o mapa do litoral sul de Pernambuco

A Costa dos Arrecifes alterna locais agitados e outros mais tranqüilos e oferece diversos tipos de lazer: mergulho nas piscinas de corais, caminhadas, passeios de buggy, surfe e esportes náuticos.

Esta ponta de terra que adentra o mar é o lugar mais ocidental de Pernambuco e desafia a história oficial brasileira: ali teria desembarcado o navegador espanhol Vicente Pinzón, em fins de janeiro de 1500, cerca de três meses antes da chegada de Cabral à Bahia; um busto na praça Vicente Pinzón o homenageia.

engenho Massangana

engenho Massangana

Distante 33 quilômetros de Recife, o antigo Arraial do Cabo surgiu da exploração da cana-de-açúcar e em seus arredores ainda se vêem vários engenhos em meio ao verde da paisagem.

No engenho Massangana, hoje Casa de Cultura, o abolicionista Joaquim Nabuco viveu seus primeiros anos.

igreja de Nossa Senhora de Nazaré em Cabo de Santo Agostinho

igreja de Nossa Senhora de Nazaré

As ruínas de edificações militares nas praias demonstram sua importância estratégica na época colonial- o arraial testemunhou embates entre índios, portugueses e holandeses.

Vale a pena subir à vila de Nazaré, o ponto mais elevado de Cabo de Santo Agostinho, para admirar a pequena igreja de Nossa Senhora de Nazaré, do século XVI, e as ruínas de um convento carmelita do século XVII.

História do Cabo de Santo Agostinho

A história do Cabo de Santo Agostinho se inicia bem antes da chegada dos portugueses ao Brasil. Assim como boa parte do território brasileiro, o Cabo era povoado por indígenas da etnia caeté.

As primeiras povoações chamadas de Arraial do Cabo surgiram na segunda metade do século XVI.

Formado pelas Igrejas Matriz de Sto Antônio, de Sto Amaro, Nossa Senhora do Livramento e antiga Capela do Rosário dos Pretos (hoje Praça Théo Silva), e casario escasso representado por antigos prédios nas ruas da Matriz (Rua Vigário João Batista) e Dr. Antonio de Souza Leão.

As fachadas são protegidas por lei municipal, porém, a maioria encontra-se descaracterizadas.

Em 1560 João Paes Barreto já instituía o Morgado de Nossa Senhora da Madre de Deus do Cabo de Sto Agostinho, vinculando o Engenho Madre de Deus, depois chamado de Engenho Velho. A escritura foi redigida em 28 de outubro de 1580.

Segundo afirma Sebastião de Vasconcelos Galvão, autor do Dicionário Iconográfico, Histórico e Estatístico de Pernambuco, o povoamento sede do Município vem de 1618; antes dessa data compunha-se de algumas casas esparsas, distantes uma das outras.

Transcorridos mais de duzentos anos de ter sido a Povoação de Sto Agostinho elevada à predicação de Paróquia é que foi criada a Vila do Cabo de Sto Agostinho, por força do alvará de 27 de julho de 1811 e Provisão Régia de 15 de fevereiro de 1812, enviada ao então governador da Província, o General Caetano Pinto de Miranda Montenegro.

Sua instalação, no entanto, ocorreu em 18 de fevereiro de 1812, pelo ouvidor e corregedor-geral da Comarca de Recife, o Doutor Clemente Ferreira de França.

Foi elevada a categoria de cidade a então Vila do Cabo de Sto Agostinho em 09 de julho de 1877, pela lei provincial nº. 1.269, para a denominação de Cidade de Santo Agostinho do Cabo.

O Cabo teve sua economia centrada no desenvolvimento da monocultura da cana-de-açúcar, a partir de 1570, com a doação de sesmarias ao longo do Rio Pirapama.

Tendo João Paes ocupado as terras a ele concedida em 1571, ao sul do Rio Araçuagipe (Pirapama), funda o primeiro engenho bangüê que denominou Madre de Deus (hoje, Engenho Velho), o mais antigo centro açucareiro da Região.

Mais tarde, com a criação de novos engenhos, o Cabo passa a representar o poderio econômico de Província de Pernambuco, época em que a cana-de-açúcar representava a força de crescimento do país.

Guia de Turismo e Viagem do Cabo de Santo Agostinho em Pernambuco

 
Share this page
 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

 
 
 
%d blogueiros gostam disto: