Home / Nordeste Guia Turismo / Ceará / Guia de Turismo e Viagem de Icó no Ceará

 

Icós no CearáIcó no Ceará é um município brasileiro do estado do Ceará.

A cidade de Icó foi a terceira vila instalada no Ceará e possui um sítio arquitetônico datado do século XVIII. A cidade é um registro vivo arquitetônico do passado.

Entre os séculos XVIII e XIX, Icó, foi o mais importante entreposto de comercialização de gado no Ceará.

Situada na região do Cariri, sua colonização por parte dos Portugueses encontrou ferrenha resistência por parte dos Índios Cariris, senhores da região.

Elevada a categoria de vila em 1738, significativa área da cidade no seu centro urbano é tombada pelo Patrimônio Histórico Federal.

Destaques para o Teatro da Ribeira e a Casa de Câmara e Cadeia, ambos construído em 1860 e para a Igreja de Nossa Senhora da Conceição do Monte, recentemente restaurada e tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional.

Magníficos sobrados com azulejos portugueses pontificam por toda a cidade.

Um sitio que é formado pelo perímetro urbano planejado pela Metrópole, na primeira metade do século XVII.

Teatro da Ribeira dos Icós

Teatro da Ribeira dos Icós

Um projeto urbanístico com ruas bem traçadas e retas (delimitando quadras relativamente uniformes), praças bastante amplas, prédios públicos.

O sítio nuclear situa-se entre as atuais ruas: 7 de Setembro, Ilídio Sampaio e Benjamin Constant, fechando-se ao lado leste com a praça principal.

Teatro da Ribeira do Icó: datado de 1860, obra do arquiteto Henrique Théberge, filho do médico e historiador que financiou esta obra neoclássica, Pedro Théberge. É o mais antigo teatro do estado do Ceará.

Casa de Câmara e Cadeia

Casa de Câmara e Cadeia

É formado de dois pavimentos, no térreo encontram-se três galerias; no primeiro andar encontram-se camarotes superiores.

Casa de Câmara e Cadeia: datada da segunda metade do século XVIII, foi uma das mais seguras cadeias de sua época. Seus portões são verdadeiras fortalezas.

As celas possuem um dos mais perfeitos esquemas de segurança, com paredes que possuem uma espessura é de um metro e meio, as chaves das celas são únicas e pesam aproximadamente meio quilo cada uma.

Igreja de Nossa Senhora da Expectação

Igreja de Nossa Senhora da Expectação

No seu interior encontra-se a capela penitenciária com a imagem de São Domingos (protetor dos presidiários).

O prédio compõe-se de dois pavimentos. No andar superior funcionou a Câmara e no térreo funcionou a Cadeia Pública. Atualmente está inativa e passará pelas últimas reformas de restauração.

Igreja de Nossa Senhora da Expectação: Igreja em estilo barroco, situada no Largo do Théberge, é a Igreja Matriz da cidade. Ao lado da igreja do Monte, antes da saída para Orós, encontra-se o cemitério centenário.

História de Icó no Ceará

A palavra Icó é de origem indígena e significa “Água ou Rio da Roça”. Nome de uma tribo Tapuia da Nação Cariri-Icós, radicada nas margens do Rio Salgado (CE) e do Rio do Peixe (PB).

É também nome de uma árvore da família Caparidáceas, conhecida como icozeiro. Antes de ser assim chamada, essa terra teve muitos outros nomes: Ribeira dos Icós, Arraial Velho, Arraial Novo, Arraial de Nossa Senhora do Ó, Sítio de Nossa Senhora do Ó dos Icós, Povoação do Salgado, Icó dos Fonsecas, Icó dos Montes e, finalmente, o ICÓ.

Carta da Capitania do Ceará, António José da Silva Paulet, 1818

Carta da Capitania do Ceará, António José da Silva Paulet, 1818

Apesar da resistência da população e dos motivos que, em épocas passadas, tenham gerado tal denominação, não se pode negar que Icó é também conhecida como “terra do louro”.

1709 – A capela dá início à cidade

1709 – A capela dá início à cidadeA cidade teve início a partir da construção da capela de Nossa Senhora da Expectação, cujo patrimônio foi doado por Francisco Montes Silva em 1709, quando em torno da capela, cresceu o povoado.

Embora os historiadores apresentem controvérsia em relação ao motivo da edificação da capela, BARROSO (1962:144) afirma que meia légua de terra foi doada por Francisco Montes para sepultar uma filha, sendo construída no local a capelinha de Nossa Senhora da Expectação.

1735 – Criação da Vila

Em 17 de outubro de 1735, foi criada a Vila, conforme Carta Régia de D. João VI, indicando, inclusive, o traçado das ruas, tornando Icó, no coroação do Ceará, uma cidade típica, cujos templos, de fachadas barrocas ornamentais, não tinham semelhantes e, nas suas ruas largas, erguiam-se faustosas residências, alinhando-se uns juntos dos outros os sobrados de azulejos, como queriam as ordens vindas de Portugal.

1824 – O Icó e a Confederação do Equador

Denominado Confederação do Equador, o expressivo, porém efêmero movimento revolucionário de 1824, era liderado no Ceará por Tristão Gonçalves de Alencar Araripe e teve em Icó uma destacada participação. Insatisfeitas com os desmandos do imperador, as províncias de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará se uniram em confederação, mas foram duramente reprimidas e violentadas.

O conhecido movimento de caráter separatista e republicano, que teve início em Pernambuco, encontrou grande adesão dos cearenses e fez do Icó um aliado contra o autoritarismo imperial de D. Pedro I. O principal líder da Confederação – Joaquim do Amor Divino Rabelo, conhecido como Frei Caneca, foi fuzilado em Recife.

Em Icó, os participantes do movimento foram severamente castigados e o sangue lavou as ruas da cidade. Foi instituído um governo municipal provisório, representantes do Governo Imperial que nomeou a chamada Comissão Matuta para punir os participantes do movimento.

Assim, Icó assistiu, entristecido, ao fuzilamento, em praça pública, daqueles que lutavam contra o arbítrio do poder central e por melhores condições econômicas para as camadas mais pobres da população.

1883 – 2013 – Icó, 171 anos de Emancipação Política

A cidade de Icó completou no último dia 25 de outubro de 2015, 173 anos de emancipação política. Mas desde 1682 já há registros daqueles que travaram luta com os verdadeiros donos da terra, o povo indígena da família dos Icós, da grande Nação Tupi, pertencente à Confederação dos Cariris. Icó não sabes quantos anos tem.

A história oficial é sempre frágil, já que é contada pela classe que domina e quer se reproduzir sempre heróica. Depois de tribo, por volta de 1735, Icó passa a ser vila para depois virar cidade. Portanto, para todos os efeitos, a cidade tem hoje 173 anos de luta, glórias e resistências.

A contagem dos anos de um município é contado a partir de sua emancipação. Contudo isso, Icó é uma das cidades mais antigas do Ceará. Sem contar no fato, de que és também, uma das mais belas do Ceará e do Brasil.

Guia de Turismo e Viagem de Icó no Ceará e Nordeste

 
Share this page
 

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

 
 
 
%d blogueiros gostam disto: