Miranda no Mato Grosso do Sul – Atrações Turísticas

A cidade de Miranda no Mato Grosso do Sul é ponto de apoio para viajantes que cruzam o sul do Pantanal e existem algumas fazendas na região onde você pode passar o dia, pernoitar e fazer alguns passeios pantaneiros.

A cidade de Miranda está situada a 205 quilômetros da capital Campo Grande.

Mapa de Regionalização de Turismo no Mato Grosso do Sul
Mapa Turístico do Mato Grosso do Sul

Nos arredores do município de Miranda MS, estão algumas das mais imponentes fazendas da região abertas ao público, entre elas a famosa Caiman, que abriga o primeiro empreendimento ecoturístico do Mato Grosso do Sul, inaugurado em 1987.

A cidade, que nasceu em 1778, é banhada pelo rio Miranda, um dos maiores afluentes do médio Paraguai.

Tipicamente interiorana, tem ruas arborizadas e tranquilas. À noite, os jovens se encontram nos bares da avenida Afonso Pena.

A construção de maior relevância histórica e arquitetônica de Miranda é a antiga estação ferroviária, onde funcionam, desde 2002, a Casa do Artesão e a Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente.

Atrações Turísticas de Miranda MS

  1. Centro Referencial da Cultura Indígena Terena
  2. Criatório Reino Selvagem
  3. Espetáculo das Comitivas de Gado
  4. Usina Açucareira Santo Antônio
  5. Paróquia Nossa Senhora do Carmo
  6. Hotel Fazenda em Miranda MS – Turismo Rural 

1. Centro Referencial da Cultura Indígena Terena

Erguido em madeira, este espaço é responsável pela preservação da cultura daquela que é a maior nação indígena do Mato Grosso do Sul, com 15 mil habitantes; desse total, quase a metade vive na região de Miranda.

Centro Referencial da Cultura Indígena Terena
Centro Referencial da Cultura Indígena Terena

Painéis explicativos contam a história e os costumes dos índios terenas e uma pequena exposição mostra peças em argila feitas pelos índios. Trevo da BR-262, Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente).

2. Criatório Reino Selvagem

Trata-se de uma iniciativa do casal de fazendeiros, inaugurado em 1989 para fazer frente à caça ilegal de jacarés, um grave problema no Pantanal naquela década.

No estabelecimento, o turista pode ver a lagoa onde centenas de animais são mantidos durante a fase de reprodução e os viveiros de engorda, com capacidade para 12 mil jacarés.

Na sede da fazenda Cacimba de Pedra, onde fica o criatório, são servidos vários pratos à base de jacaré.

3. Espetáculo das Comitivas de Gado

Quando se inicia o período da cheia no Pantanal e a água invade os pastos, os fazendeiros são obrigados a transferir o gado para áreas mais altas, a salvo da inundação.

Cessadas as chuvas, o rebanho é levado de volta às invernadas de origem.

Comitivas de Gado no Pantanal
Comitivas de Gado no Pantanal

Esses deslocamentos ocorrem cm espécies de caravanas chamadas “comitivas” e podem durar de vinte dias a quatro meses. Durante o percurso. que chega a ser de 20 quilômetros diários, conduzem-se cerca de mil animais.

Algumas fazendas do Pantanal – Aguapé, Baia Grande. Pequi e Santa Inês, por exemplo – acompanham os turistas nessas incríveis marchas.

Tradicionalmente, sete peões compõem uma comitiva – a cada um cabe uma função específica.

O cozinheiro sempre se adianta à boiada, a fim de preparar os locais de almoço e de descanso. Muito prestigiado, além de fazer a comida, é ele quem monta o acampamento.

A frente da boiada segue o ponteiro, o chefe do grupo, responsável pela comunicação com os peões, realizada por meio de diferentes toques do berrante.

Nas laterais, os dois fiadores auxiliam o ponteiro na condução da boiada. Atrás, o encarregado de tocar a boiada é auxiliado por dois culateiros – vaqueiros responsáveis pela captura cias reses que escapam do rebanho.

O dia a dia da comitiva de gado, que começa antes de o sol nascer, é regido por algumas regras de conduta, que podem variar: não é permitido aos peões, por exemplo, tirar o chapéu durante a refeição. Nas comitivas, chama a atenção, também, um participante especialíssimo: o cavalo pantaneiro.

Trata-se de uma raça nativa dotada de extraordinária adaptação às condições do lugar; o animal tem casco resistente a áreas alagadiças, é hábil para pastar em forragens submersas nos períodos de cheia e suporta bem o trabalho na pecuária extensiva.

Além da Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Pantaneiro (ABCC), criada em 1972. entidades como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa/Pantanal) e a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul realizam projetos de pesquisa e preservação da raça.

4. Usina Açucareira Santo Antônio

Usina Açucareira Santo Antônio de Miranda MS
Usina Açucareira Santo Antônio de Miranda MS

Usina Açúcareira Santo Antônio, este prédio histórico de 1900 foi durante muito tempo uma empresa que trabalhava com derivados da cana-de-açúcar.

5. Paróquia Nossa Senhora do Carmo

Miranda está entre as cidades mais antigas de Mato Grosso do Sul, fundada em 16 de julho de 1778.

Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Miranda MS
Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Miranda MS

A Matriz de Nossa Senhora do Carmo é uma de suas construções centenárias, situada em frente à Praça Agenor Carrilho, e ladeada por prédios onde funcionam a Casa Paroquial (antiga residência das freiras), a escola Funlec e a sede atual da Prefeitura Municipal.

A igreja foi construída em 1931 com inspiração eclética e atualmente pertence à Mitra Diocesana de Jardim. 

6. Hotel Fazenda em Miranda MS – Turismo Rural

  1. Fazenda San Francisco em Miranda MS
  2. Fazenda Baía Grande
  3. Refúgio Ecologico Caiman
1. Fazenda San Francisco em Miranda MS

O destaque desta fazenda de 14,8 mil hectares de terras e dedicada ao gado de corte e a plantação de arroz são os programas de day use.

Fazenda San Francisco em Miranda MS
Fazenda San Francisco em Miranda MS

A Fazenda San Francisco está situada a 36 quilômetros de Miranda, a San Francisco tem capacidade para acolher grupos de mais de cem turistas num único dia. Para os que querem pernoitar, há uma pousada simples.

A fazenda abriga o Projeto Gadonça, que visa ao estudo de onças, e recebe voluntários para roteiros de turismo científico.

Atracões Turísticas da Fazenda San Francisco
  • Passeio de chalana

O tour fluvial acontece no corixo Sào Domingos, um braço do rio Miranda. No passeio, podem-se observar garças, biguás, martins-pescadores, socós e colhereiros, além de ariranhas e lontras, mais raras.

Passeio de chalana na Fazenda San Francisco em Miranda MS
Passeio de chalana na Fazenda San Francisco em Miranda MS

O programa dura duas horas e meia, com paradas para pesca de piranhas.

  • Focagem noturna de animais silvestres

Durante as duas horas e meia do passeio, em carro com tração nas quatro rodas, percorrem-se campos irrigados e pequenos capões.

Focagem noturna de animais silvestres na Fazenda San Francisco em Miranda MS
Focagem noturna de animais silvestres na Fazenda San Francisco em Miranda MS

No trajeto, estão antas, lobinhos, tamanduás, cervos e, com sorte, onças-pintadas.

  • Observação de Aves ou Birdwatching

Os praticantes desse hobby, conhecidos como observadores de aves ou birdwatchers, geralmente usam binóculos e guias de campo para ajudar na identificação das diferentes espécies de aves.

arara-azul (anodorhynchus hyacinthinus)
arara-azul (anodorhynchus hyacinthinus)
Seriema (Cariama cristata)
Seriema (Cariama cristata)
Putrião (Sarkidiornis melanotos)
Putrião (Sarkidiornis melanotos)
Gavião pato (Spizaetus melanoleucus)
Gavião pato (Spizaetus melanoleucus)
Pintassilgo (Carduelis magellanicus)
Pintassilgo (Carduelis magellanicus)

Na Fazenda San Francisco são encontradas 346 espécies de aves, sendo muitas delas ameaçadas de extinção como:

  • Arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus),
  • Seriema (Cariama cristata),
  • Putrião (Sarkidiornis melanotos),
  • Gavião pato (Spizaetus melanoleucus),
  • Pintassilgo (Carduelis magellanicus), dentre outros.

Uma importante descoberta da pesquisa foi observar que a Fazenda San Francisco é um local estratégico para descanso e alimentação de dezenas de aves migratórias tanto do Norte: Águia pescadora (Pandion haliaetus), Triste-pia (Dolichonyx oryzivorus) e maçaricos de diferentes espécies, quanto do Sul: Cocoroba (Coscoroba coscoroba), Pernilongo (Himantopus melanurus), Narceja (Gallinago paraguaiae), além dos flycatchers: Tesourinha (Tyrranus savana), Verão (Pyrocephalus rubinus) e outros.

Algumas destas espécies chegam as centenas e até milhares, permanecendo por meses na fazenda até seu retorno à suas respectivas áreas reprodutivas. 

  • Turismo científico – Há dois programas

Em ambos o participante pode acompanhar as atividades de campo do Projeto Gadonça, que monitora o comportamento das onças que vivem próximas a criações bovinas.

Onças na Fazenda San Francisco em Miranda MS
Onças-pintadas na Fazenda San Francisco em Miranda MS

O objetivo é estabelecer formas mais eficazes de prevenir os ataques dos felinos aos bois.

  • O roteiro “Turismo de pesquisa científica” dura de três a cinco dias, período em que são ministradas palestras e é efetuado o acompanhamento das onças que portam radiotransmissores.
  • Outra opção e o programa “Voluntários na natureza”, de, no mínimo, duas semanas. Com o treinamento recebido, os visitantes podem participar de todas as tarefas desenvolvidas pelo Gadonça, entre elas a verificação de armadilhas fotográficas, a moldagem de pegadas, a coleta de fezes, e saídas noturnas para a observação de onças.

Os participantes, que ficam hospedados em alojamentos coletivos, devem ter no mínimo dezoito anos e bom condicionamento físico.

Localização

A partir de Miranda, são 36 quilômetros pela BR-262, km 583, sentido Corumbá, até a entrada da Fazenda San Francisco (existem placas no local indicando a entrada).

2. Fazenda Baía Grande

Situada no limite sul do Pantanal, a 20 quilômetros de Miranda, esta fazenda oferece opções de hospedagem e de day use.

Fazenda Baía Grande em Miranda MS
Fazenda Baía Grande em Miranda MS

Quem recebe os visitantes é o proprietário Alexandre da Costa Marques, integrante de uma família tradicional da região e exímio contador de “causos” do Pantanal.

A fazenda de 1,8 mil hectares também faz parte do programa do CRAS; como os biólogos da entidade costumam se hospedar na Baía Grande para monitorar a readaptação de algumas espécies, é possível conhecer de perto esse trabalho de conservação da vida selvagem.

Passeio de barco na baia Grande – a bela lagoa de 30B mil metros quadrados que dá nome à fazenda estão a 6 quilômetros da sede.

Cercada pela mata, com destaque para as palmeiras carandá que se elevam nas imediações, nela podem ser leitos passeios de barco a motor ou de canoa canadense, além de ser uma boa alternativa para a pesca de piranhas. O ideal é ir ao amanhecer ou no final da tarde, quando a temperatura está mais amena e as aves e os animais silvestres ficam mais ativos.

Programe uma visita para apreciar o pôr-do-sol, mas não se esqueça de usar repelente.

Atracões Turísticas da Fazenda Baía Grande
  • Cavalgadas e lida com o gado

São muitas as opções de passeios a cavalo em trajetos fora da propriedade ou no seu interior.

Outra sugestão é participar da lida com o gado, em geral conduzida pelos peões, conhecedores dos animais da região.

Crianças, idosos e aqueles que não têm afinidade com cavalos podem ir de charrete, alternativa igualmente interessante.

  • Focagem noturna

A atividade de cerca de duas horas c realizada em caminhonete com tração nas quatro rodas e bancos fixos na caçamba do veículo. Durante a noite, a luz emitida pelo “sinbim”, uma lanterna de alta potência, reflete-se nos olhos dos animais.

No percurso entre a sede e a ‘baía Grande avistam-se jacarés, além de : mamíferos de hábitos noturnos, como o ‘ lobinho e o tamanduá-bandeira.

tamanduá-bandeira
tamanduá-bandeira

Nas proximidades da baía, o coaxar dos sapos fé um espetáculo ã parte.

Localização

Em Miranda MS, pegue a estrada de terra para a aldeia indígena Lalima. São 18 km até a entrada da fazenda.

3. Refúgio Ecológico Caiman

Primeiro empreendimento ecoturistico do Mato Grosso do Sul.

O Refúgio Ecológico Caiman é um dos destinos mais charmosos do Pantanal. Criado em 1987 pelo empresário e ambientalista Roberto Klabin, fica na fazenda Caiman. que se estende por uma área de 53 mil hectares, onde se combinam pecuária, pesquisa científica e turismo ecológico.

Refúgio Ecológico Caiman - Pantanal MS

Entre as quatro confortáveis pousadas da fazenda, destacam-se as atraentes Baiazinha e Cordilheira, ambas afastadas da vila, com infraestrutura independente e em meio a belas paisagens.

O Refúgio Ecologico Caiman emprega uma equipe de guias de nível universitário, fluentes em inglês e com amplos conhecimentos a respeito da flora e da fauna pantaneiras.

São eles que lideram os passeios, sempre acompanhados por guias de campo locais.

A Caiman oferece grande variedade de atividades, todas marcadas pelo cuidado especial com a segurança dos hóspedes e a preservação do meio ambiente.

As vezes, o zelo com os turistas é tomado como um limite à sua liberdade c, por isso, a fazenda não é recomendada para quem prefere fazer sua própria programação.

Com o intuito de preservar o ecossistema, foi criada em 2004 a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Dona Aracy, uma área de 5,6 mil hectares no interior da fazenda.

Projetos de Proteção a Fauna

O Refúgio Ecológico Caiman abriga dois projetos de proteção a animais em extinção.

O Projeto Onça-Pintada, parceria entre o Fundo para a Conservação da Onça-Pintada (www.jaguar.org.br) e a Conservação Internacional (www.conservation.org.br), desde 2002 compensa financeiramente os fazendeiros que tiveram animais abatidos por onças, com o objetivo de evitar que o animal seja caçado por eles.

Segundo dados de 2006. onze fazendas (uma área de 325 mil hectares) participam do programa, que oferece também assistência médica e odontológica aos trabalhadores das propriedades.

Outro projeto sediado na Caiman é o Arara-Azul, criado em 1990 e que envolve pesquisa, manejo e conservação dessa ave.

Estima-se que só na década de 1980 cerca 10 mil araras-azuis tenham sido contrabandeados para o mercado externo; em decorrência do tráfico, a ave figura na lista oficial de espécies ameaçadas de extinção do Ibama e da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN) O projeto monitora 130 ninhos naturais e 97 artificiais, conforme dados apurados nos anos de 2004 e 2005.

Os resultados são animadores: ao longo de década e meia de trabalho, a população da espécie triplicou, chegando a cerca de 5 mil pássaros na região meridional pantaneira.

O projeto possui outra base na pousada Araraúna, de propriedade da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e Região do Pantanal (Uniderp). 

Atracões Turísticas do Refúgio Ecologico Caiman
  • Safári

Embarque em carros abertos para descobrir diferentes cenários em busca da vida selvagem do Pantanal: não faltam avistamentos incríveis ao longo de todo o passeio.

Safári no Refúgio Ecologico Caiman em Miranda MS
Safári no Refúgio Ecologico Caiman em Miranda MS
  • Caminhadas

Doze trilhas operam em sistema de rodízio, medida que ameniza o impacto ambiental. Quase todas elas se iniciam nos arredores das pousadas, prolongando-se por matas típicas.

Não é difícil encontrar, durante o trajeto, bandos de queixada e grupos de macacos-prego.

Dependendo da sorte, o visitante pode avistar até mesmo o udu-de-coroa-azul (Momotus momota), um belo pássaro pantaneiro.

Os percursos variam entre uma hora e meia e três horas. Safári fotográfico e focagem noturna.

Na região da Caiman, generosa quanto à presença de animais, não raro se veem grupos de jacarés, capivaras, araras-azuis. curicacas e tamanduás, entre tantas outras espécies – apesar de o barulho e a fumaça produzidos pelo caminhão que leva os turistas incomodarem um pouco.

  • Canoa canadense

A bordo de canoas para até três pessoas, são exploradas as duas baías da fazenda. Quando se rema lentamente próximo às margens, a diversão torna-se mais enriquecedora, uma vez que se pode observar de bem perto o comportamento de garças, colhereiros. quero-queros, cabeças-secas e maguaris.

Experimente ficar em completo silêncio para ouvir a sinfonia dessas aves. O tour leva cerca de duas horas, com parada para descanso, mas sem desembarque das canoas.

  • Cavalgadas

Bastante rígidos no que diz respeito à segurança dos hóspedes, os programas a cavalo na Caiman podem se tornar um tanto monótonos para os mais experientes.

Só é permitido, por exemplo, cavalgar em fila indiana. O passeio dura cerca de três horas. Passeio no rio Aquidauana – Esta ê unia das atrações mais fascinantes da Caiman, pois reúne em um programa safári fotográfico, passeios de chalana, de canoa canadense, além de caminhadas pelas margens do no.

Entre a sede e o Aquidauana são 32 quilômetros em estradas de terra, vencidos na caçamba de um caminhão, adaptado, de onde se aprecia o belo cenário pantaneiro; há quem já tenha visto a rara onça-pintada nesse trajeto.

A atividade, paga à parte, tem quatro horas e meia.

  • Observação de aves

A Caiman oferece um programa especializado para os interessados na observação de pássaros, com o acompanhamento de um guia.

O passeio é pago à parte. Para grupos de birdwatching, recomenda-se reservar com antecedência.

  • Instituto Arara Azul

Viva uma aventura monitorando os ninhos de arara azul espalhados pelo refúgio acompanhado pelos biólogos do Projeto Arara Azul.

  • Onçafari

Acompanhe a movimentação das onças-pintadas que têm no nosso refúgio seu habitat natural. O passeio é comandado pelos guias especializados do Onçafari, iniciativa pioneira que luta pela conservação da espécie. 

Localização

No trevo de Miranda, pegue a estrada cm direção à localidade de Agachi e siga por 2 quilômetros. Desse ponto, são mais 36 quilômetros cm estrada de terra até a sede.

Hide picture