Pedra Safira é a pureza da natureza e símbolo da honestidade

A pedra de safira era conhecida na antiguidade, pelos egípcios, como “a pedra das estrelas”. Eles acreditavam que a safira estimulava a honestidade, a verdade e a justiça.

Safira azul
Safira azul

Independente das suas propriedades e “poderes”, a cor e a pureza dessa pedra, tão cobiçada e apreciada quanto o diamante, despertam o desejo e o interesse dos amantes das joias.

O nome safira é derivado do termo grego sappheiros que signiica “a coisa mais bela” e do latim saphirus que signiica “azul”.

Era muito utilizada por reis, rainhas e grandes homens da Igreja.

Cravadas em anéis, tiaras e coroas, representavam o alto grau social das pessoas que as possuíam.

Ainda hoje, a Corte Inglesa exibe suas peças excepcionais cravadas com essa pedra preciosa.

A safira pertence ao grupo mineral coríndon com qualidades gemológicas.

A safira é composto, basicamente, de óxido de alumínio, com a fórmula química Al²O³. No estado natural, esse composto químico é incolor.

No caso da safira, a cor azul característica se deve à presença de titânio e ferro em sua composição.

Apesar do nome safira estar relacionado à essa cor, a pedra preciosa que conhecemos tem uma grande variedade de cores, devido à presença de “impurezas metálicas” em sua composição.

A safira pode ser confundida com outras pedras. Em algumas das peças utilizadas na antiguidade foram cravadas gemas como lápis-lazuli ou topázio, achando que era safira. Só por volta de 1800 que descobriu-se que a saira pertencia ao grupo dos coríndons.

O coríndon é um mineral de óxido de alumínio conhecido pela sua dureza (9, mineral índice da escala Mohs) e pelo seu brilho intenso. Devido a essas características, é muito utilizado como gema em suas diferentes variedades. As principais são a safira (azul) e o rubi (vermelho). 

Safiras de diferentes cores
Safiras de diferentes cores

De acordo com a presença de alguns elementos, as safiras podem se apresentar em diversas cores como:

  • amarela (com baixo teor de ferro)
  • verde (pela presença de titânio)
  • rosa, roxa, marrom, laranja (com a presença de ferro e cromo)
  • safira Padparadscha, alaranjada tendendo para o rosa salmão (com a presença de ferro e cromo)

Quando denominada safira (sem adjetivo) se refere sempre à azul.

No caso de safiras com outras cores seu nome leva sempre a cor como complemento, também são conhecidas como fancy.

O coríndon vermelho se refere ao rubi, sempre.

A safira (azul) é muito utilizada, na joalheria, em anéis de noivado e em peças com designer diferenciado, principalmente por sua cor intensa e luminosa.

Entretanto, nos últimos anos, a popularidade das safiras coloridas, principalmente a amarela, vem crescendo. A possibilidade de substituir o diamante, raro e caro, foi “abraçada” por inúmeras celebridades.

E, como não podia deixar de ser, caiu no gosto do povo.

Características gemológicas da safira

As sairas tem um elevado grau de dureza o que, consequentemente, aumenta o seu valor e a diiculdade da lapidação.

  • Dureza – 9 Mohs
  • Densidade relativa – 4,0
  • Fratura – concoide
  • Transparência – pode variar de transparente a opaco e apresenta brilho (lustre) vítreo a sub-adamantino translúcido.

A safira apresenta um hábito piramidal cristalizando em bipirâmides hexagonais com estriações transversais nas suas faces.

Sua composição principal é de óxido de alumínio e traços de outros elementos como cobalto, ferro, titânio e cromo, que dão as cores à gema. Além das cores já citadas ainda podem ser encontradas em cinza e preta.

As melhores safiras são da Caxemira, na Índia, mas essas minas estão esgotadas. De lá, vinham as azuis, tão procuradas.

Na Tailândia, em Chanthaburi, as safiras vão do azul escuro até o verde água.

Safiras australianas não são de alta qualidade, apresentam uma cor azul-água, e às vezes negra.

No Sri Lanka (região de Ratnapura), há uma pedra azul clara com uma pitada de roxo. São encontradas, também, sairas coloridas e a saira Padparadscha, alaranjada tendendo para o rosa salmão.
As mais belas pedras têm preços elevados, encontradas no Sri Lanka, Vietnã e Tanzânia.

Os principais países produtores são a Birmânia, Tailândia, Sri Lanka, Austrália e Madagascar.

É rara no Brasil, existindo no Mato Grosso, Goiás, Santa Catarina e Minas Gerais.

O maior centro de lapidação é a Índia.

Cor das safiras

1. Safira branca ou leucossaira

As safiras brancas são, na verdade, incolores. Não tem a presença de elementos que podem alterar a cor. Atualmente, são muito utilizadas na joalheria, por serem uma ótima opção de substituição do diamante em anéis de noivado.

Só perdem no brilho. São mais baratas que as amarelas, rosas e azuis e com ótima durabilidade. Apesar de serem raras, a demanda não é tão alta, o que dá maior acessibilidade no preço.

2. Safira amarela

As safiras brancas são, na verdade, incolores. Não tem a presença de elementos que podem alterar a cor. Atualmente, são muito utilizadas na joalheria, por serem uma ótima opção de substituição do diamante em anéis de noivado.

Só perdem no brilho. São mais baratas que as amarelas, rosas e azuis e com ótima durabilidade. Apesar de serem raras, a demanda não é tão alta, o que dá maior acessibilidade no preço.

As safiras amarelas estão em crescente popularidade e demanda. São ótimas na substituição de diamantes, como as brancas. Entretanto, sua cor especial dá um toque alegre e jovial.

A cor se dá devido à presença de um baixo teor de ferro no coríndon.

Há quem diga que esta gema estimula a energia criativa e traz prosperidade. Ativa o intelecto e a ação.

3. Safira rosa

A cor dessa saira é devido à baixa quantidade de cromo. Se a quantidade for grande a cor seria vermelho e, então, um rubi. Essa linha que divide a saira rosa do rubi é sempre atestada por testes gemológicos e análise da quantidade da presença de cromo.

A cor rosa também está com alta demanda no mercado. Elas foram encontradas recentemente, mais ou menos 15 anos, na ilha de Madagascar, tornando-se mais abundante.

Antes disso, só eram encontradas na Birmânia e Sri Lanka.

Se apresentam desde o rosa claro, intenso, até o rosa chiclete. Este último muito procurado na joalheria.

4. Safira violeta ou roxa

As cores violeta e roxo geralmente são confundidas mas, na verdade, são tonalidades diferentes de uma mesma cor.

O roxo é uma mistura de vermelho com azul e o violeta é do roxo com branco. Essas cores são raras. Não raramente são confundidas com a ametista.

As safiras violetas tem uma característica singular, pois podem mostrar mudanças na cor sob diferentes tipos de iluminação.

5. Safira cinza e preta

A saira preta é extraída em grande quantidade, a pedra é quase opaca. São baratas e consideradas de baixa qualidade.

Pode, perfeitamente, substituir o ônix. Ás vezes podem ser de tom cinza bem escuro.

6. Safira laranja

Sairas laranjas também são raras, porém como sua cor não é das mais populares, seu preço também não acompanhou. Ainda no caso delas, o laranja que se compõe da mistura de cromo e ferro não é dos mais bonitos e agradáveis de se ver.

7. Safira verde

A cor verde das safiras é rara. É possível de encontrá-las quando as azuis e amarelas se encontram na mesma mina. A demanda dessa cor é pequena, portanto, os preços não são altos, até porque esmeraldas e turmalinas são mais fáceis de encontrar.

As safiras verdes tem um tom mais escuro ou bem claros, porém com brilho intenso. Não raro, podem ser vistos traços de amarelo e azul, sob ampliação e, algumas vezes, até a olho nu.

8. Safira Padparadscha

Padparadscha são sairas pouco conhecidas do grande público, mas muito apreciadas por gemologistas, colecionadores e conhecedores do ramo. Esse nome veio do termo Sangalês que signiica “lor de lótus”.

A sua característica de cor é deinida como um rosa alaranjado que pende para o salmão. Apesar de laboratórios renomados como AGTA e GIA divergirem sobre a certiicação destas safiras, a maior parte delas tem esse tom e advém do Sri Lanka e, sob controvérsias, de Madagascar.

São muito raras e caras, a “queridinha” das safiras.

9. Safira

A safira é a pedra azul mais preciosa e valiosa. Ela se destaca dentre as outras por sua cor e brilho inigualáveis.

Safira bruta
Safira bruta

Quando denominamos somente “safira” estamos nos referindo sempre à de cor azul. Uma das mais famosas é a “Logan Sapphire”, com uma cor azul profunda e clareza excepcional, especialmente para uma pedra de seu tamanho. Ela foi examinada pelo Instituto Gemológico da América, em 1997, que a considerou uma safira natural de cor natural, sem evidência de tratamento térmico.

Recentemente foi encontrada no Sri Lanka a maior safira do mundo com 42Kg.

A empresa, Guruge Gems, proprietária da pedra dividiu-a em vários pedaços e lapidou a gema de que você vê na igura, ela vale incríveis 800 milhões de dólares.

Essa cor sempre foi a preferida de homens da Igreja, reis e rainhas, pois é carregada de signiicados espirituais e de prosperidade.

O que é asterismo

Na gemologia, asterismo é a propriedade de alguns minerais (p.ex., a safira, a esmeralda, a granada) de apresentarem, por efeito da relexão ou da refração da luz, a imagem de uma estrela, na saira causado por inclusões de agulha do mineral rutilo.

Asterismo
Asterismo

Quando a presença desse mineral é pequena se dá um aspecto sedoso, quando é maior provoca o asterismo.

Há alguns estudiosos que defendem que o rutilo não provoca o asterismo e, sim, a presença de canais ocos cruzados seguindo três direções.

As safiras que apresentam esse efeito são chamadas de saira estrela ou astéricas e seu valor depende não só do quilate da pedra, mas também de sua cor e da visibilidade e intensidade do asterismo.

Recentemente, esse fenômeno está sendo provocado em safiras sintéticas o que diminuiu consideravelmente o valor das pedras naturais que o apresentam.

Para que o efeito de estrela seja perfeito, a gema deve ser lapidada em forma de cabochão ou esfera. Em alguns casos a estrela parece se mover ao girarmos a gema.

As estrelas podem ser de 4, 6 ou 12 pontas.

Safira sintética

As safiras sintéticas, como outras gemas, não são artificiais.

Essa confusão pode ser provocada por inexperiência ou traduções errôneas. As gemas artificiais não tem nenhum tipo de traço ou origem da gema natural, ou seja, ela não existe na natureza.

As gemas sintéticas, produzidas em laboratório, tem como matéria prima as gemas naturais pulverizadas, que passam por um processo de fundição e recristalização, de forma que suas propriedades são muito semelhantes às naturais e, em alguns casos, idênticas.

Essa síntese só pode ser identiicada por microscópios gemológicos. Por passar por processos rigorosos e caros, as gemas sintéticas também tem valor alto, porém mais acessíveis comparadas às naturais.

processo de Verneuil
processo de Verneuil

Os métodos mais utilizados na síntese de safiras sintéticas são:

  • O primeiro método que é o de fusão à chama ou processo de Verneuil, criado em 1902 pelo francês Auguste Verneuil, até hoje continua sendo o mais utilizado e um dos mais baratos.

Neste processo utiliza-se o pó de óxido de alumínio, que é colocado em um aparelho, após a colocação, é injetado oxigênio empurrando a mistura para baixo para que encontre com o hidrogênio injetado na parte inferior do aparelho.

Isso provoca uma combustão com uma chama que atinge 2000°C. O pó de óxido de alumínio sofre fusão forma gotas, que vão caindo num suporte, se resfriam e cristalizam em coríndon.

Ao incluir neste processo sais de crômio, titânio, ferro, etc. obtém-se sairas, sairas coloridas e rubis.

  • Já o processo de luxo baseia-se em dissolver a alumina (no caso das safiras e rubis) em um composto fundido que atua como solvente. Essa mistura é colocada em um cadinho de platina e, após, é colocado em um forno com temperatura próxima a 1.300 ºC.
  • Já o processo hidrotermal, envolve várias técnicas de cristalização de substâncias em soluções aquosas submetidas à altas temperaturas e pressões de vapor.
  • Outros processos como o Czochralski e Float-zone também são utilizados.

Muitas safiras sintéticas são produzidas para aplicações industriais, comerciais e tecnológicas.

Para identificar a origem natural ou sintética da gema, é imprescindível o exame das inclusões à lupa e ao microscópio. Algumas outras características como natureza e conteúdo de seus elementos-traços podem fornecer indícios dessa origem, entretanto, não são diagnósticas.

As safiras naturais costumam apresentar inclusões minerais e líquidas, bem como zoneamento retilíneo de cor.

Tratamentos da safira

1. Tratamento térmico

Tratamento térmico é utilizado para intensiicar a cor natural da gema ou até modiicá-la, a safira pode ficar tanto mais clara quanto mais escura.

Também é usado para melhorar a clareza da pedra. São utilizadas altas temperaturas que vão de 1.500 a 1.800ºC, em fornos elétricos com aplicação de oxigênio ou não.

A cor final é permanente e muito estável, desde que a pedra não seja exposta novamente à altas temperaturas.

Esse tratamento é considerado o mais natural e aceitável pela GIA e outros laboratórios de certiicação, pois não há adição de nenhum componente.

Esse processo “termina” a reação química das impurezas minerais que ocorrem naturalmente dentro da pedra.

2. Difusão

Esse processo consiste em introduzir impurezas na gema por difusão de óxidos a altas temperaturas (em torno de 1.900 ºC).

A gema é colocada em um cadinho, misturada à óxido de titânio ou outro agente colorante em pó e aquecida à alta temperatura. A atmosfera e o tempo são variáveis.

O resultado é uma fina camada muito colorida de cor estável.

3. Clareamento

O clareamento consiste no uso de produtos químicos para clarear a gema ou para remover cores indesejáveis.

Outros tratamentos como: preenchimento das cavidades, aquecimento seguido de resfriamento e tingidura, também são utilizados, porém muitos são temporários e inaceitáveis.

Classificação da safira

Como nas outras gemas coradas, a avaliação das sairas é baseada na saturação e intensidade da cor, transparência, lapidação e o tamanho, os mesmos 4C´s do diamante.

Tipos de classificação da safira
Tipos de classificação da safira

1. COR / COLOR

As sairas possuem uma ampla gama de cores e cada cor tem suas próprias variações de qualidade. Em geral, quanto mais intensa a cor e menor a quantidade zonas de distração (inclusões), mais valiosa é a gema.

Para as safiras azuis a avaliação da cor é mais importante para determinar seu valor.

As mais valorizadas são azuis aveludadas para azul violeta (chamado de violetish blue), em meio a tons escuros médios. A saturação deve ser tão forte quanto possível, sem escurecer a cor e comprometer o brilho.

A graduação da cor das safiras é dividida em três categorias quantiicáveis: intensidade (saturação), matiz (cor) e tom (claro/escuro) especiicadas pela GIA.

Termos como “azul”, “azul ligeiramente esverdeado”, “azul muito ligeiramente esverdeado” são usados para descrever as tendências de cores.

A nomenclatura de gradação de cor também especiica seis níveis de saturação que variam de “acinzentado” para “moderadamente forte” para “cores vivas” e, nove níveis de tom, variando de “muito muito leve” para “muito muito escuro”.

2. TRANSPARÊNCIA / CLARITY

O grau de visibilidade através de uma safira é conhecido como transparência, que varia de transparente a opaca, sendo a transparente a ideal, conforme classiicadas abaixo:

Transparente

Visualização clara e distinta de objetos através da pedra. Estes safiras geralmente tem excelente brilho apesar de eventuais inclusões.

Semitransparentes

Visualização ligeiramente turva ou borrada através da pedra.

Translúcido

Visualização difícil através da safira. A luz é um pouco difusa.

Semi-translúcida ou semi-opaca

Uma pequena fração da luz passa através da pedra.

Opaca

Quase nenhuma luz passa através da pedra.

As safiras azuis tendem a ter mais inclusões que a maioria das safiras coloridas. O termo “inclusão” é utilizado para deinir características encontradas dentro de uma gema e são, frequentemente, usados para indicar que a pedra é de origem natural.

As inclusões, geralmente, diminuem o valor da gema, principalmente se elas ameaçarem a durabilidade. Elas podem se apresentar de diversas formas como cristais (inclusões sólidas como pequenos grãos), seda (fibras inas de rutilo) esta, apesar de ser uma imperfeição é a preferida pois, algumas vezes proporciona um aspecto aveludado à gema, aumentando seu valor, rachaduras, impressões digitais (inclusões que tem o aspecto).

3. CARAT / PESO

O efeito do quilate sobre o valor de uma safira varia pela cor. As safiras amarelas são relativamente abundantes em tamanhos acima de cinco quilates, porém cinco quilates de safiras Padparadscha são extremamente difíceis de encontrar.

Safiras azuis, rosa, laranja ou Padparadscha que excedam quinze quilates são especialmente valiosas.

Como as safiras tem uma alta densidade, uma safira de um quilate parece menor que um diamante do mesmo peso.

4. CORTE / CUT

Comparável aos diamantes, os melhores cortes ou lapidações de safiras oferecem uma relação maior de profundidade / largura.

Estilos de corte da safira
Estilos de corte da safira

As pedras mais profundas parecem menores, mas mostram mais cor do que se fossem cortadas em proporções normais.

Elas também preservam o peso e, consequentemente, o valor da gema. Quando o corte é raso parecem de cor mais clara do que os profundos. Safiras de qualidade têm boa simetria quando vistas de peril – reletindo a luz de forma uniforme.

Como a forma original do cristal é em forma de pirâmide hexagonal, o corte profundo proporciona melhor obtenção da cor e proporções.

Os cortes são orientados de acordo com o zoneamento de cores (cores diferentes em determinadas áreas), com o pleocroísmo (diferentes cores em diferentes direções) e a claridade da gema.

A safira estrela é sempre cortada em cabochão, para exibir o asterismo.

A maioria das sairas são lapidadas em formato oval, esmeralda, corte redondo e cortes de almofada. Nas lapidações mistas, o pavilhão é lapidado em degraus paralelos e a parte superior é do tipo brilhante, como no corte esmeralda, que permitem um melhor aproveitamento da gema.

Atualmente, na Tailândia, Índia ou Sri Lanka a grande maioria das sairas apresentam lapidações mistas.

Na figura abaixo você pode ver os tipos mais comuns de cortes de safiras.

Cuidados com a safira

Devido à sua dureza, a safira não requer muitos cuidados e pode ser limpa com apenas água morna e sabão, também pode ser utilizada uma porção de amônia para seis partes de água.

Use uma escova de dente para esfregar atrás da pedra, onde pode juntar poeira. Como a maioria das pedras preciosas, evite realizar trabalho pesado ou entrar em contato com produtos químicos, pois isto pode daniicá-la.

Hide picture