A paisagem verde do Maciço de Baturité é dos destinos mais procurados

Maciço de Baturité
Maciço de Baturité no Ceará

A paisagem verde do Maciço de Baturité no Ceará e o clima úmido fazem da região um dos destinos mais procurados para finais de semana.

Com temperatura média variando entre de 20ºC e 22ºC – e mínima chegando a 17ºC, o cenário conta com uma pequena faixa de Mata Atlântica transformada em Área de Proteção Ambiental, o que faz a região ser bastante apropriada para o ecoturismo.

O Maciço de Baturité é uma formação geológica localizada no sertão central cearense, composta pelos municípios de Pacoti, Palmácia, Guaramiranga, Mulungu Aratuba, Capistrano, Itapiúna, Baturité, Aracoiaba, Acarape, Redenção, Barreira e Ocara.

Embora abranja 12 municípios, Guaramiranga (o mais famoso), Pacoti, Mulungu e Baturité acabam sendo os protagonistas da região.

O Maciço de Baturité é formado por rochas calcárias e graníticas, possuindo muitas cachoeiras, rios e e vestígios de Mata Atlântica. O turismo na região é muito ativo, e tende a se tornar um pólo de desenvolvimento local, visto o grande fluxo de pessoas, principalmente no período do inverno.

Muitos não conhecem, mas o Ceará não se resume em apenas capital e praias. Fugindo do corre-corre das grandes cidades o melhor mesmo é passar um final de semana nas pequenas cidades do Maciço de Baturité, que nos oferecem paz e tranqüilidade em meio ao verde da natureza.

O ar que respiramos purifica e relaxa. O friozinho que sentimos é muito gostoso. O complexo montanhoso é magnífico.

O programa de Ecoturismo do Ceará é composto de 6 pólos, entre eles, a 100km de Fortaleza, o Pólo de Ecoturismo da Serra de Baturité.

Caracterizado pela floresta úmida com exemplares da mata Atlântica, o Maciço de Baturité mantém 178 espécies vegetais, grande variedade de espécies animais, com destaque para 154 espécies de aves catalogadas, somente na Área de Proteção Ambiental – APA da Serra e Baturité.

São matas exuberantes, com inúmeras cachoeiras, cascatas e grutas no meio da vegetação, com trilhas ecológicas e paredões para a prática de rapel, além de muito ar puro.

mapa do Maciço de Baturité CE
mapa do Maciço de Baturité CE

A cerca de uma hora de Fortaleza, ergue-se, sertão em volta, o Maciço de Baturité, com uma largura média de 22km e uma área total aproximada de 1300 quilômetros quadrados.

Principais cidades da região do Maciço de Baturité

Baturité

Distância de Fortaleza: 106 km

Acesso: CE 060 / CE 356

Baturité esta no sopé do maciço do mesmo nome, antigamente tinha grande importância pela estrada de ferro que transportava os horte-frute-granjeiro para Fortaleza. O maciço de Baturité foi importante pólo da cultura do café – hoje quase completamente abandonada.

O clima atraía ordens religiosas para a cidade de Baturité. Prova disso é o mosteiro dos jesuítas, famoso colégio dos padres Jesuítas, construído no século XVIII e que hoje, desativado, abriga congressos e hóspedes de fim-de-semana.

Museu Ferroviário de Baturité CE
Museu Ferroviário de Baturité CE

Sua origem remonta ao ano de 1764, com a fundação da Vila Real de Monte Mor o Novo d’América, organizada para reunir os índios jenipapos e canindés sob um regime administrativo proposto pelo Marquês de Pombal, então primeiro-ministro de Portugal, após a expulsão dos missionários jesuítas do Brasil.

Era dotada da estrutura básica de uma típica vila colonial, com casa de câmara, pelourinho e igreja matriz. Com a independência do Brasil, a vila perdeu sua arcaica denominação portuguesa passando a adotar o nome nativo da grande Serra, em cujo sopé fincou-se: Baturité, do tupi Ybitiraeté, “serra verdadeira; serra por excelência”.

Em 1858, quando elevada à categoria de cidade, firmava-se como grande celeiro do Ceará. Sinônimo de fertilidade, a vasta serrania que já havia inicialmente cedido espaço para os plantios e engenhos de cana-de-açúcar em seus vales e brejos úmidos, foi território privilegiado para o cultivo do café, por seu clima e solo favoráveis, sendo sua qualidade considerada uma das melhores do mundo, ainda no século XIX.

O sentimento religioso e a herança jesuítica também marcam profundamente a história da cidade.

Uma vez por lá, não deixe de visitar, por exemplo, a fábrica de Cerveja Artesanal Fabeer, a Igreja Cristo Rei, o Museu Ferroviário de Baturité, a Igreja de Santa Luzia, o Museu Comendador Ananias Arruda, a Igreja Matriz Nossa Senhora da Palma e a Via Sacra Pública de Baturité e Imagem de N. Sra. de Fátima.

Sem esquecer ainda o Ecomuseu da Serra do Evaristo, o Mosteiro dos Jesuítas (foto de abertura), a Cachoeira Santa Edwiges (Parque das Cachoeiras), a Cachoeira do Perigo (Recanto das Cachoeiras) e o Parque Rodeio.

Mosteiro dos Jesuítas

A impressionante construção de pedras, erguida por jesuítas portugueses, guarda objetos dos antigos moradores. A 1,5 km dali há um mirante, no alto de uma colina. O acesso é somente a pé.

Mosteiro dos Jesuítas em Baturité
Mosteiro dos Jesuítas em Baturité

O mosteiro dos Jesuítas fica em Baturité, a 14 km. Uma dica: antes de ir, ligue para saber se estão em retiro e confirmar as datas de visitas. Para grupos grandes, é preciso agendar. Fica a 14 km de Guaramiranga.

Guaramiranga

Distância de Fortaleza: 123km

Acesso: CE 060 / CE 356 / CE 065

Guaramiranga no Ceará
Guaramiranga no Ceará

Guaramiranga, considerada a Suíça do Ceará, esta localizada sobre o maciço de Baturité, a 865 metros de altitude, Guaramiranga foi sempre refúgio dos abastados, atraídos pelas temperaturas amenas experimentadas na região serrana.

Com temperatura média anual de 18ºC, Guaramiranga é conhecida pelo cultivo de flores e também pelos bem sucedidos festivais de teatro e de jazz & blues, já introduzidos no calendário cultural da cidade.

A cidade mantém 80% de sua flora original, formada por espécies da Mata Atlântica e Floresta Amazônica e oferece aos visitantes bons hotéis e pousadas e uma excelente infraestrutura de restaurantes.

A região foi transformada em Área de Proteção Ambiental (APA). Um passeio imperdível é conhecer o Pico Alto, a 1115m, um dos locais mais altos do Estado que possibilita ao visitante ter uma vista deslumbrante de toda a região.

Vista panorâmica da cidade de Guaramiranga
Vista panorâmica da cidade de Guaramiranga

Até a segunda metade do século XIX, Guaramiranga era apenas de um povoado, chamado Conceição, que tinha no café seu produto principal. Desde 1890 o lugar passou a se chamar Guaramiranga, que significa Pássaro Vermelho.

O menor município cearense em área territorial é, talvez, um dos mais conhecidos e famosos destinos. É que Guaramiranga, do tupi “Pássaro Vermelho”, tornou-se a cidade das flores e dos festivais, sediando o polo turístico da Serra de Baturité.

Sua história confunde-se com o primeiro ciclo do café no século XIX. Originada no Sítio Conceição, tornou-se vila em 1890 compondo autonomia política e adotando o nome Guaramiranga, denominação do sítio homônimo até hoje existente.

Após seguidas supressões e restaurações, Guaramiranga garantiu sua emancipação definitiva somente a 22 de setembro de 1957.

A partir dos Caminhos do Maciço, a cidade ofertará novas possibilidades para os visitantes por meio das mais variadas atividades culturais e imersão na natureza, como observação de aves e trilhas de bike, reavivando desta forma novas experiências.

Recomendo demais a visita ao Parque das Trilhas, o Pesqueiro, o Parque das Cachoeiras, o Convento dos Capuchinhos e sua Igreja da Gruta, a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição e a Imagem de Nossa Senhora no caminho da Linha da Serra, que junto com o Pico Alto oferecem vistas deslumbrantes da região. Sem contar os inúmeros e charmosos restaurantes espalhados pela cidade.

Pacoti no Ceará
Pacoti no Ceará

Pacoti

Distância de Fortaleza: 130km

Acesso: CE 060 / CE 356 / CE 065

A cidade possui as mesmas características de Guaramiranga: clima ameno, rica em diversidade de frutas e flores. É um verdadeiro paraíso tropical.

Essa cidade respira história e ainda conserva uma vida simples de cidade de interior, também conhecida como a “Princesinha da Serra”. Sua origem se deu a partir do Sítio Pendência que produzia cana de açúcar e café, tornando-se povoado na segunda metade do século XIX.

Sua emancipação se deu em 1890, recebendo o mesmo nome do importante Rio que cruza atualmente a cidade, Pacoti.

Sítio São Luís em Pacoti CE
Sítio São Luís em Pacoti CE

Os Caminhos de Pacoti são convidativos e possibilitam conhecer a sua história numa caminhada tranquila e agradável, onde o visitante é envolvido pela doce lembrança do passado e que ainda estão presentes nos diversos atrativos.

A herança colonial está na configuração dos prédios públicos que se encontram na Praça Central, herdeira do espaço onde se desenvolveu o agitado comércio popular a partir feira, que hoje leva os produtos para serem comercializados no Mercado Público, repleto de texturas, sabores, cores e aromas da gastronomia típica local (guisados, panelas, buchadas doces e hortifrutíferos).

Entre os atrativos, merecem destaque a Capela de Jesus Crucificado e Cenotáfio de Donaninha Arruda, o Sítio Olho D´Água, a Vila Gastronômica, o Instituto Maria Imaculada, o Santuário de Nossa Senhora do Globo e a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição.

Fazem parte ainda da lista o Ecomuseu de Pacoti, a Casa do Artesão, o Polo de Lazer Senador Carlos Jereissati e o Sítio São Luís.

Mulungu

Distância de Fortaleza: 110km

Acesso: CE 004 / CE 114 / CE-065 (da qual corta a cidade)

Mulungu está localizado na CE-065 Microrregião do Maciço de Baturité em uma Área de Proteção Ambiental-APA. Em uma altitude de 700 metros, clima tropical chuvoso de monção, temperatura 21°C em média, precipitação anual de 1.300 mm (chuvas).

Mulungu limita-se ao Norte com Guaramiranga, ao Sul com Aratuba, a Leste com Baturité e Capistrano e; a Oeste com Caridade e Canindé.

Sítio São Roque em Mulungu CE
Sítio São Roque em Mulungu CE

A sua origem traz o nome das frondosas árvores serranas que, segundo reza a tradição local, trouxeram sombra acolhedora aos sertanejos, comboieiros e seus descendentes que primeiro habitaram a povoação no alto da Serra de Baturité.

Como lugar de passagem, entreposta ao velho caminho para os sertões de Canindé, detém belas paisagens e mirantes em suas quebradas e ladeiras íngremes, por onde outrora subiram antigas famílias do sertão.

Não à toa, Mulungu foi palco da primeira experiência de cultivo de café na região: por volta de 1824, o coronel Manuel Felipe Castelo Branco plantou exemplares da preciosa rubiácea em seu Sítio Correntes, hoje Bagaço.

Buscando vencer os desafios do presente, dentre eles o da preservação ambiental e de uma economia sustentável, permanece sendo o maior produtor de café de sombra da Serra, assim como vem buscando estruturar seu parque de serviços turísticos, com bons restaurantes e hotéis.

Entre os pontos de interesse, estão os sítios Nova Holanda e São Roque e a Igreja, Escadaria São Sebastião e o Espaço Akhetaton.

Dicas do Maciço de Baturité

Em Guaramiranga, visite o Pico Alto – o segundo ponto mais elevado do Ceará, com 1.114 metros de altitude. O lugar tem uma temperatura entre 12º C e 15ºC e propicia aos visitantes uma ampla visão do sertão e do mar.

No Pico Alto, faça passeios inesquecíveis entre os restos de mata atlântica presentes na região.

A estrada que liga as cidades de Baturité, Guaramiranga e Pacoti às outras cidades da redondeza é bastante sinuosa. Por isso, muita atenção ao dirigir.

Guia de Turismo e Viagem do Maciço de Baturité, Guaramiranga e Pacoti

Leave a Comment

You have to agree to the comment policy.

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.