As principais cidades e vilas da região da Chapada Diamantina

Este post também está disponível em: Português English

A Chapada Diamantina, região no coração da Bahia que possui um parque nacional que conserva 152 mil hectares com centenas de quedas d’água, sítios arqueológicos e uma geologia suntuosa.

A beleza cênica do Parque Nacional da Chapada Diamantina agrada nativos e turistas é um território que possui uma vasta formação geológica e uma biodiversidade incrível.

A riqueza dos biomas que temos aqui é impressionante. Isso tudo se alia ao patrimônio arquitetônico das cidades, as histórias, as aventuras, as riquezas imateriais, aos muitos mistérios que cercam o nosso lugar.

Está claro para todo mundo a necessidade de preservar este lugar, de chamar a atenção de tudo e todos a respeito da grandiosidade e do santuário ecológico que a Chapada Diamantina é.

Devido à dimensão do território da região – são dezenas de municípios, com quase 40 mil km² – e às grandes distâncias existentes entre os principais atrativos naturais e as cidades turísticas.

Principais cidades e vilas que formam a região da Chapada Diamantina

Veja o mapa do Parque Nacional da Chapada Diamantina

1. Lençóis na Chapada Diamantina

Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Lençóis é considerado o portal da Chapada Diamantina. Isso porque o local possui uma excelente infraestrutura hoteleira, com mais de dois mil leitos, restaurantes de alto nível e voos regulares. Ao longo dos anos, o município vem ganhando ares cosmopolitas, com residentes dos quatro cantos do mundo.

Lençóis na Chapada Diamantina
Lençóis na Chapada Diamantina

Os principais atrativos são: os casarios do século XIX, a história e cultural herdada do garimpo, a Serra do Sincorá e os atrativos naturais de fácil acesso em todo o seu entorno. Em 2019, a cidade foi eleita o melhor destino turístico nacional, segundo uma pesquisa online feita com mais de 25 mil pessoas.

A cidade também concentra o maior número de agências de turismo, que organizam passeios por toda a Chapada Diamantina. Na agenda cultural do destino destacamos: o São João e o Festival de Lençóis.

Veja também Lençóis é a porta de entrada para a Chapada Diamantina

2. Vale do Capão

A pequena vila do município de Palmeiras é outro destino aclamado na Chapada Diamantina. Sua natureza preservada atraiu, nas últimas décadas, milhares de pessoas interessadas no desenvolvimento de uma cultura alternativa e ecológica.

Vale do Capão na Chapada Diamantina
Vale do Capão na Chapada Diamantina

O povoado concentra, médicos naturalistas, massagistas, praticantes de xamanismo, artistas diversos e moradores locais conhecedores de plantas para fins medicinais e culinários.

O Vale do Capão atrai visitantes de todas as partes do mundo, todo o ano, para longas e pequenas temporadas. Além dos tradicionais passeios de ecoturismo que o local oferece, é possível provar deliciosas receitas locais, como o pastel de palmito de jaca e a pizza integral, além de opções para vegetarianos e veganos.

De lá há acesso para alguns dos lugares mais famosos da Chapada Diamantina, como o Vale do Pati, a Cachoeira da Fumaça e o Morrão. Entre os eventos culturais que mais chamam a atenção estão: o Festival de Jazz, que reúne shows de artistas consagrados da música instrumental.

Guia completo do Vale do Capão

3. Andaraí

Abundante em atrativos, o município fica na região central do Parque Nacional. O centro histórico da cidade é marcado pelo casario do século XIX preservado. Andaraí possui muitos cursos d’água, incluindo quatro das dez maiores cachoeiras da região: Cristais, com 110 metros, Herculano e Samuel, com 100 metros, e Ramalho, que tem 90 metros.

Andaraí na Chapada Diamantina
Andaraí na Chapada Diamantina

A localização de Andaraí é estratégica e dá acesso a diversos atrativos naturais do entorno, como Mucugê, Ibicoara, Nova Redenção e Itaetê. Ainda dentro do município, há destaque para o povoado de Igatu – que é uma excelente pedida para o São João -, o Pantanal Marimbus, as piscinas do Rio Roncador, além das diversas cachoeiras e grutas.

Andaraí que é a segunda principal cidade da Chapada Diamantina

4. Ibicoara

Cercada por serras e cachoeiras, Ibicioara está localizada no sul do Parque Nacional e a 1.100 metros de altitude. O município vem ganhando espaço no turismo nacional, com destaque para o Parque Natural Municipal do Espalhado, uma Unidade de Conservação a 30 km da sede e que abriga a famosa e majestosa Cachoeira do Buracão.

Ibicoara na Chapada Diamantina
Ibicoara na Chapada Diamantina

Do município se tem acesso também a Cachoeira da Fumacinha, que pertence à Mucugê. Especialmente para os adeptos de esportes de aventura, a dica é as cachoeiras do Licuri e do Rio Preto. Nesses pontos é possível praticar rapel, cascading, escalada e trekking.

Por lá também vale a pena conhecer a produção artesanal de cachaça. A cultura agrícola também é famosa no município, com destaque para o café orgânico e biodinâmico, internacionalmente reconhecido pela sua qualidade.

História e Guia de Turismo de Ibicoara na Bahia

5. Igatu

Falamos desse charmoso povoado acima, mas ele vale um destaque especial. O local é distrito de Andaraí e está erguido em uma montanha rochosa que se abre para o vale do Rio Paraguaçu. Há dois acessos: pela BA 142, a 14,1 km de Andaraí e que passa por uma estrada de pedra, ou por Mucugê, que são 22,1 km e em uma estrada não pavimentada.

Igatu na Chapada Diamantina
Igatu na Chapada Diamantina

Com seis cachoeiras ao seu redor, Igatu tem banho de rio e visuais fantásticos. No esporte, o destino se destaca na prática de escalada e boulder. No calendário de eventos, chamamos atenção para o São João, São Sebastião e o Festival de Música de Igatu.

Pontos Turisticos de Igatu, Poço Azul e Poço Encantado

6. Mucugê

Mucugê tem seu conjunto arquitetônico e paisagístico, formado por casario colonial e construções que se mimetizam nas rochas, tombado pelo IPHAN e pelo IPAC nadécada de 1980. A cidade é erguida nas margens da Serra do Sincorá, está rodeada por montanhas e tem temperatura média de 19° C.

Mucugê na Chapada Diamantina
Mucugê na Chapada Diamantina

Uma das atrações mais acessíveis é o cemitério bizantino, às margens da BA 142 e composto por jazidas em forma de igreja, todas pintadas de branco, que remete ao estilo arquitetônico neogótico de meados do século XVIII.

A principal atração do município é o Parque Natural Municipal de Mucugê, onde estão localizados o Parque Sempre-Viva e o museu Vivo do Garimpo. Entre as atrações culturais estão os festejos de São João, os festivais de Chorinho e Vozes da Chapada, além da Feira Literária de Mucugê (Fligê).

Mucugê esta a 900m de altitude em meio a uma paisagem privilegiada

7. Morro do Chapéu

O município é recheado de atrações turísticas. Com tradição histórica, o município conta com duas filarmônicas: a Minerva, fundada em 1906, por Dias Coelho – o primeiro coronel negro da Bahia -, e a Lira Morrense, de 1984. Toda sua extensão é rica em belezas naturais: são cachoeiras, grutas, sítios históricos e arqueológicos de tirar o fôlego, além de clima com uma temperatura média anual de 20° C, chegando a 8 ° C graus em períodos de inverno, entre abril e agosto.

Morro do Chapéu
Morro do Chapéu

Lugar que tem formato de chapéu e dá nome ao município, o Morrão é o ponto mais elevado da região – com cerca de 1.300m de altitude.

Para chegar lá, basta seguir pela rodovia BA-144. Da parte mais alta da rocha se tem uma magnífica e ampla vista de toda a região, com cataventos de algumas usinas eólicas que dão um charme a mais na paisagem. Um passeio rápido e imperdível. Se tiver um dia ensolarado, a dica é ir para assistir ao pôr do sol.

Entre as cachoeiras, destacamos a do Ferro Doido, a mais próxima e de fácil acesso, que fica a cerca de 18 km do centro da cidade, a do Agreste, com duas quedas d’água, e a de Domingos Lopes. Ambas são quedas d’água do rio Jacuípe.

O município também é famoso por grutas, como a da Igrejinha, do Cristal e Boa Esperança. A mais famosa delas é a dos Brejões, que fica a cerca 163 km do centro da cidade, o que pode levar 2h30 de viagem. A caminhada é pesada e o acompanhamento de um guia local é indispensável.

Morro do Chapéu é detentora da segunda maior boca de caverna do Brasil, com mais de 110m de altura e quase 8 km de extensão já mapeados. É um importante sítio paleontológico e arqueológico, além de ser bastante visitada por romeiros, por sua conotação religiosa.

Ecoturismo no Morro do Chapéu esta a 1012 m de altitude

8. Vila do Ventura

Se você for ao Morro do Chapéu, não deixe de ir à Vila do Ventura. O povoado reúne um patrimônio arquitetônico da época do garimpo, que hoje ilustram o apogeu e o declínio da atividade econômica na região.

Vila do Ventura no Morro do Chapéu
Vila do Ventura no Morro do Chapéu

De lá, é possível conhecer, por exemplo, a Cachoeira do Ventura (6 km de caminhada), a Barriguda – lugar para banho que possui uma árvore com nome homônimo -, e as tocas da Figura e do Pepino, que pertencem ao sítio arqueológico Cidades das Pedras, uma área de grande afloramento de arenitos, com curiosas formas e um belo conjunto de pinturas rupestres.

Comments are closed.

Hide picture